Caminho pelas Estrelas Follow by Email

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Enc: ASCÂNIO MMM . NOVO ARTISTA REPRESENTADO



Em Quinta-feira, 19 de Novembro de 2015 12:53, Casa Triângulo escreveu:


ASCÂNIO MMM
NOVO ARTISTA REPRESENTADO


Módulo 8.4, 1971-1983 . Alumínio pintado . 350 x 600 x 430 cm
Temos o prazer de anunciar que a Casa Triângulo agora representa o artista Ascânio MMM.
Em cinco décadas de produção, Ascânio Maria Martins Monteiro construiu uma minuciosa obra - transparente em sua poética e firme em sua lógica construtiva - que lhe garante um lugar histórico na trajetória da abstração geométrica da América Latina. Esta foi sua práxis exclusiva. Ascânio nunca fez uma obra figurativa. Desde seu primeiro trabalho em 1964, o artista manteve de modo consistente a opção construtiva, mesmo com o contínuo processo de invenção de problemas plásticos e experimentação de materiais. O lugar de Ascânio no projeto de arte concreta, os aspectos culturais de sua origem portuguesa, sua formação, o esforço de construção da linguagem e de seus signos materiais, as proposições fenomenológicas e simbólicas, a participação no processo histórico da arte brasileira, sobretudo na Geração MAM, o âmbito de sua produção, seu programa estético, a poética e o sentido da obra, a vontade construtiva e o viés arquitetônico da escultura vinculado à questão social da habitação, o substrato dialético e político da forma e o inconsciente matemático - todas essas são questões que surpreendem o historiador. Compreender a dimensão dialética da produção de Ascânio é de natureza similar à responsabilidade de todo ''psicólogo do espírito cientifico'' - uma acepção de Gaston Bachelard -, que deve viver o estranho desdobramento da personalidade geométrica que se efetuou ao longo do último século e meio da cultura matemática. No entanto, diferentemente do matemático, Ascânio MMM não reprime a intuição (nem a sublimação da experiência). Seu desafio bachelardiano foi sempre realizar a conversão da realidade racional em poética experimental. [HERKENHOFF, Paulo.''O cristal''. In: Ascânio MMM: Poética da Razão. São Paulo: BEI Comunicação, 2012, p. 7.]
ASCÂNIO MMM nasceu em Fão, Portugal, 1941. Vive e trabalha no Rio de Janeiro desde 1959.
EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS SELECIONADAS: Flexos e Quasos, AM Galeria, Belo Horizonte, Brasil [2015]; Flexos e Qualas, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, Brasil [2008]; Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, Brasil [1999]; Atelier Finep, Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brasil [1997]; Subdistrito Comercial de Arte, São Paulo, Brasil [1991]; Galeria 111, Lisboa, Portugal [1989]; Galeria Paulo Klabin, Rio de Janeiro, Brasil [1981]; Galeria Arte Global, São Paulo, Brasil; Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, Brasil [1976]; Galeria Grupo B, Rio de Janeiro, Brasil [1972]; Galeria Celina, Rio de Janeiro, Brasil [1969].
EXPOSIÇÕES COLETIVAS SELECIONADAS: 10ª Bienal do Mercosul, Porto Alegre, Brasil; Sotto Voce, Dominique Lévy Gallery, Londres, Reino Unido [2015]; Cromofobia, Museo de Arte Contemporáneo, Buenos Aires, Argentina; Encontro dos Mundos, Museu de Arte do Rio, Rio de Janeiro, Brasil [2014]; Vontade Construtiva na Coleção Fadel, Museu de Arte do Rio, Rio de Janeiro, Brasil [2013]; From the Margin to the Edge, Somerset House, Londres, Reino Unido [2012]; Gigante por la própria naturaleza, Instituto Valenciano de Arte Moderno, Valência, Espanha [2011]; Arte como Questão - Anos 70, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brasil [2007]; Caminhos do Contemporâneo: 1952/2002, Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brasil [2002]; I Bienal do Mercosul, Porto Alegre, Brasil; Tridimensionalidade na Arte Brasileira do Século XX, Instituto Cultural Itaú, São Paulo, Brasil [1997]; Arte Brasileira na Coleção: Anos 70/90, Museu de Arte Contemporânea, São Paulo, Brasil [1992]; Depoimento de Uma Geração 1969/1970, Galeria Banerj, Rio de Janeiro, Brasil [1986]; Portrait of Country - Brazilian Modern Art From Gilberto Chateaubriand Collection, Barbican Center, Londres, Reino Unido [1984]; 100 Anos de Escultura no Brasil, Museu de Arte de São Paulo, São Paulo, Brasil; Brasil - 60 anos de Arte Moderna - Coleção Gilberto Chateaubriand, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, Portugal [1982]; XV Bienal de São Paulo, São Paulo, Brasil [1979]; IV Panorama da Arte Atual Brasileira, Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil [1972]; Salão da Bússola, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, Brasil [1969]; II Bienal da Bahia, Salvador, Brasil [1968]; IX Bienal de São Paulo, São Paulo, Brasil [1967]; I Salão Abril, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, Brasil [1966].
PRÊMIOS: Prêmio Viagem ao exterior, I Salão Nacional de Artes Plásticas, MEC, Rio de Janeiro [1978]; Grande Prêmio para Escultura, IV Panorama da Arte Atual Brasileira, Museu de Arte Moderna, São Paulo [1972]; Prêmio de Aquisição, XIX Salão Nacional de Arte Moderna, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro [1970]; Prêmio de Aquisição, Salão da Bússola, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro [1969].
COLEÇÕES PÚBLICAS: Museo de Arte Contemporáneo de Buenos Aires, Buenos Aires, Argentina; Museu de Arte do Rio, Rio de Janeiro, Brasil; Museu de Arte do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil; Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil; Museu de Arte Moderna, São Paulo, Brasil; Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, Brasil; Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro, Brasil; Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo, Brasil.
PRINCIPAIS ESCULTURAS PÚBLICAS: Centro Empresarial Rio, Rio de Janeiro; Edifício Sede da GlaxoSmithKline, Vargem Grande; Hotel Royalty Barra, Rio de Janeiro; Hotel Royalty Copacabana, Rio de Janeiro; Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro; Edifício Daniel Maclise, Cosme Velho; Praça da Sé, São Paulo; Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo [Brasil]. Edifício Nissin, Tóquio [Japão]. Edifício Sede da Caixa Geral de Depósitos, Lisboa; Largo do Cortinhal, Fão [Portugal].