Caminho pelas Estrelas Follow by Email

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Poema: ENIGMÁTICOS MISTÉRIOS Autor: Odenir Ferro


NASA Image of the Day Gallery - An Exploded Star's Remains and its Murky Environment
 
 
Poema: ENIGMÁTICOS MISTÉRIOS
Autor: Odenir Ferro
 
Todas as Linguagens e as manifestações
Das expressões Divinas, todas elas são
Totalmente opostas aos entendimentos
Dos Humanos – Nós! -: Míseros Mortais!
 
Os Céus eclipsam elipsam, ocultam-se!
Dentro dos seus próprios dúbios mistérios
Desinformando-nos, desorientando-nos até,
Sobre os destinos mutantes dos paradigmas
Que se acercam das nossas nuances novas,
Numa realidade existencial tão atemporal
Que vai manifestando nossa vida espiritual
Enquanto despedimo-nos dos entes queridos!
 
Os Céus cobrem-nos com os seus mantos
Plenos de enigmáticos frios mistérios!...
Pelos quais vagueiam todas as incertezas
Da nossa vida tentando safar-se ou mesmo
Até, sedar-se, das emoções indesejosas.
Sublimadas, vivenciadas, nas incertezas
Da saudade, afrontando a nossa realidade!
 
Numa esperança guardando os amores febris
Desfeitos pela ruptura abrupta dos corpos.
Num contexto feito cheio de contrassensos,
Pelos quais as almas, vibrando por aqui,
Viventes ficam. Sem poderem libertar-se
Das opressas dores, destes infortúnios
Dos desesperos querendo aperceber-se
Dos mínimos segredos dos inconfessáveis
De algumas esperanças incompletas,
Inconceptas, inclementes, estúpidas,
Desonestas, desleais, mas que ímpares,
 
São as únicas capazes de nos aliviar, olvidar,
Abrandar-nos nas dores das nossas paixões.
Das nossas emoções rompidas, nas dores
Deixadas por fatalidades que se foram.
 
Partiram antes de nós, nossos amores!
Para um além que deveríamos acreditar,
Mesmo que fosse para que fosse ao menos
Sedarmo-nos desta nossa lucidez céptica
Crível apenas no real. No que vê, apenas.
Ou no que toca, tateia, sente e ressente.
Recusando-se a aceitar o Imaginário,
O fictício, o fantasioso, muito embora
O Todo que se contempla se completa,
E se incompreende, dentro do Mistério
É O que se perfaz nas Linguagens
Do Todo Soberano que é Único,
Pois é O que é Jesus Divino!
 
Entre os Céus, com o sol e as nuvens,
Com as chuvas e as nevascas, ventos e
Os raios e os trovões e as tempestades
E além, os cometas e os astros, asteroides,
Com as estrelas e a lua se encenando em
Todas as suas fases. Enquanto nós, seres
Humanos, entrevamo-nos enlutamo-nos,
Em todas as nossas faces cheias de sombras
Mediante todas as sobras destas dúvidas
Posicionando-nos entre a Fé e as nossas
Crenças arremessando-nos ao Mistério
Das insolvências das nossas dissoluções
Perante a Gloriosa força do Tudo!
 
Apesar de inteiros e unos ao Todo
Essencialmente, somos fragmentados
E únicos, ao condoermo-nos perante
Nossas próprias lancinantes dores.
Somos os avessos das nossas origens,
Embora apegados àquilo que não
Somos por não sabermos por não
Querermos ou não pudermos ser.
E o Céu, é uma cortina abstrata
Retratando os restos de algumas
Poesias, daquilo que somos nós!




 

(JORNAL REGIONAL) Artigo: OS ENCANTOS (CANTOS) DAS SEREIAS Autor: ODENIR FERRO

 

 
 
Artigo: OS ENCANTOS (CANTOS) DAS SEREIAS

Autor: Odenir Ferro

O Autor é Escritor, Poeta, Embaixador Universal da Paz!

Livros do Autor, no Site: www.livrariacultura.com.br

Blogger:


Os provérbios da consciência, são todos aqueles sentimentos que nos despertam para as razões da nossa existência: - e a principal delas, é a causa de vivermos tudo o que tivermos de viver - saboreando a vida. Creio que não deveríamos viver sob a compulsão da ambição - envolvidos em contradições e conflitos - mas o ideal, deveria ser um sim: - ao amando tudo aquilo que fizéssemos, criássemos,...

Saborearmos do fruto do prazer da vitória, sem nos vangloriarmo-nos - muito embora, sem que nunca nos esqueçamos de que as nossas posições sociais são traçadas - muitas vezes - com inúmeras articulações. Então, assim sendo - ou se assim é - não podemos nos esquecer de que a vida também é constituída por muitos espinhos.

Espinhos que ferem o teor da nossa alma. Desejamos evoluir, aprimorando os nossos conhecimentos. Buscamos "os encantos das sereias" - dentro da miragem: - gostamos de nos interessar por tudo o que está longe do nosso alcance. Pois o que se nos apresenta distante, aparenta ser melhor, perfeito, - dentro dos padrões de beleza que ansiamos para a vida toda.

É sempre desta forma - vivemos comparando e competindo-nos uns com os outros.

Mesmo as culturas de outros países - até mesmo as outras línguas, com suas etnias - despertam-nos um profundo interesse: sabemos que somos quem somos. E isto - quase sempre - não nos basta.

Queremos saber, compreender, de que forma vivem os nossos vizinhos - até mesmo os distantes, ou os mais distantes ainda: - os que vivem noutros países, com suas crenças, lendas, sua cultura geral. Este é, de fato, um dos nossos comportamentos.

Vivemos espelhando-nos uns nos outros. Fortalecendo os nossos sonhos através de associações de ideais. Talvez, porque vivemos uma realidade a procura de conquistarmos uma realidade sobreposta, que se nos apresenta distante, ou presente a nossa. Sendo portanto, muitas vezes, muito atraente.

Então, engordamos os olhos, à procura de uma miragem de onde saem as sonoridades insistentes dos "cantos das sereias". Aquele canto persuasivo que vai nos envolvendo igual a uma habilidosa serpente. Instigando-nos a alvoroçarmos os nossos sentimentos, a inflamarmos o nosso ego e - partirmos para a luta. Rumo às conquistas que se despontam em novos caminhos, dentro de novos horizontes. Porque na realidade, nós não temos raízes - apenas fortes vínculos à elas - mas temos muita imaginação: - E as nossas imagens-Nações, têm asas - e liberdades para voarem!

 

Article: LES CHARMES (ANGLES) des sirènes

Auteur: Odenir Ferro

L'auteur est un écrivain, poète, ambassadeur de la paix universelle!

Auteur des livres, site: www.livrariacultura.com.br

Blogger:


Les paroles de la conscience, sont les sentiments qui nous éveillent les raisons de notre existence: - la principale, est la cause de tout ce que nous vivons à vivre - profiter de la vie. Je crois que nous ne devrions pas vivre sous la contrainte de l'ambition - dans des contradictions et des conflits - mais idéalement, il devrait être un oui: - l'amour tout ce que nous avons fait, nous avons créé, ...

Plaisir des fruits Saborearmos de la victoire, sans vangloriarmo nous - mais sans jamais oublier que nos positions sociales sont tirés - souvent - avec des joints de nombreux. Donc, par conséquent - et si c'est le cas - nous ne pouvons pas oublier que la vie se compose également de nombreuses épines.

Épines qui blessent le contenu de notre âme. Nous espérons que d'évoluer, l'amélioration de nos connaissances. Nous cherchons "les charmes des sirènes" - à l'intérieur du mirage: - aiment avoir un intérêt dans tout ce qui est hors de notre portée. Pour ce qui nous paraît loin, semble être meilleure, parfaite - dans les normes de la beauté nous aspirons à vie.

C'est toujours de cette façon - en direct dans la comparaison et concurrence les uns avec les autres.

Même les cultures d'autres pays - y compris les autres langues, avec leurs ethnies - éveiller un vif intérêt pour nous: nous savons que nous sommes qui nous sommes. Et ce - presque toujours - ne suffit pas.

Nous voulons savoir, comprendre, comment vivent nos voisins - même le lointain, ou plus loin encore: - ceux qui vivent dans d'autres pays, avec leurs croyances, légendes, sa culture générale. C'est en effet l'un de nos comportements.

Nous vivons dans reflétant dans l'autre. Le renforcement de nos rêves à travers les associations idéaux. Peut-être parce que nous vivons dans une réalité de la demande conquérir une superposition de la réalité, qui nous présente l'autre, ou notre présent. Il est donc souvent très attractif.

So get yeux de graisse, à la recherche d'un mirage, d'où les sons insistantes de «chant des sirènes». C'est convaincant coin vai impliquant égale à un serpent qualifiée. Nous instigation alvoroçarmos nos sentiments, notre ego et inflamarmos - parti pour le combat. Vers des réalisations qui émergent dans de nouvelles voies, de nouveaux horizons. Parce qu'en réalité, nous n'avons pas seulement des racines - des liens étroits avec eux - mais nous avons beaucoup d'imagination: - Et nos images-Nations, ont des ailes - et la liberté de voler!



 

 

Enc: Lançamento do livro "Colombiana tú eres parte; no te quedes aparte"


----- Mensagem encaminhada -----
De: Museu da Casa Brasileira 
Para: odenir.ferro@yahoo.com.br
Enviadas: Terça-feira, 27 de Novembro de 2012 14:52
Assunto: Lançamento do livro "Colombiana tú eres parte; no te quedes aparte"
Se você não conseguir visualizar esta mensagem, clique aqui
 
 
Descadastre-se caso não queira receber mais e-mails.

Enc: Nesta quinta,29, palestra sobre fotografia na Pinacoteca


----- Mensagem encaminhada -----
De: Pinacoteca de São Paulo 
Para: odenir.ferro@yahoo.com.br
Enviadas: Terça-feira, 27 de Novembro de 2012 14:00
Assunto: Nesta quinta,29, palestra sobre fotografia na Pinacoteca