Caminho pelas Estrelas Follow by Email

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Poema: A DOR DA ALMA DO MUNDO Autor: Odenir Ferro

Anonymous:

The Three Magi before Herod

stained glass window, 15th century

Musée National du Moyen Âge (Cluny), Paris





POEMA: A DOR DA ALMA DO MUNDO

Autor: Odenir Ferro



Fecham-se as nuvens, carregando-se de cinzas

Nos seus tons pouco esbranquiçados; e zimbram

Relampejos, em clarões estrondorosos que vibram

A terra. Em raios que a deixa obscura. E retesas



Chuvas plangem-se nas dores da alma do mundo!

Estas chuvas lavam à fundo, a plangencia d'alma.

E os Anjos, velam estes segredos na pura calma...

Muito acima, muito além da tempestade. Num adido!



Coloquial do exacerbado da existência!...

Onde a vida e os dias têm, por excelência,

Todas as benvinda virtudes, dos ensolarados

Dias. Tanto como dias de chuvas em tons brumados.



Estes Anjos, têm e agem na cândida vontade.

Derramando beatitude nas almas que acolhem.

Deixando a semente da esperança, que invade

A dor da alma do mundo, quando as chuvas plangem!