Caminho pelas Estrelas Follow by Email

domingo, 22 de setembro de 2019

Soneto Espanhol do Século XVI, atribuído a vários autores, entre os quais o poeta místico São João da Cruz Posted by Odenir Ferro



No me mueve mi Dios para quererte
el cielo que me tienes prometido,
ni me mueve el infierno tan temido
para dejar por eso de ofenderte.
Tú me mueves, Señor; muéveme el verte
clavado en una Cruz y escarnecido;
muéveme el ver tu cuerpo tan herido;
muévenme tus afrentas y tu muerte.
Muéveme en fin tu amor, de tal manera,
que aunque no hubiera cielo, yo te amara
y aunque no hubiera infierno, te temiera.
No me tienes que dar porque te quiera,
porque, aunque lo que espero no esperava,
lo mismo que te quiero, te quisera.
[ Não me motiva, meu Deus, para querer-te
  o céu que me houveste prometido,
  nem me motiva o inferno tão temido
  para deixar, por isso, de ofender-te.
  Me motivas, Senhor; me motiva ver-te
  pregado numa Cruz e escarnecido;
  me motiva ver teu corpo tão ferido;
  me motiva ver-te só e tão inerte.
  Me motiva, por fim, teu amor eterno,
  assim se não houvesse céu inda te amara
  e te temera ainda não tendo inferno.
  Por teu amor minha alma nada espera,
  pois embora o que espero não esperara,
  igual tanto que te quero te quisera.
  Soneto Espanhol do século XVI, atribuído a vários autores,
  entre os quais o Poeta místico São João da Cruz. ]


Nenhum comentário: