Caminho pelas Estrelas Follow by Email

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Poema: JUNTO AO AMOR DE NÓS Autor: Odenir Ferro




Crédito da Imagem: Rio Chattooga, Floración melada de la flor del rodo... es.dreamstime.com


http://www.livrariacultura.com.br/p/as-meninas-que-sonham-petalas-dagua-29535435





http://www.livrariacultura.com.br/p/caleidoscopio-interior-42155502#



Poema: JUNTO AO AMOR DE NÓS
Autor: Odenir Ferro
Observação: Este poema não está incluído nas páginas do livro de poemas Às Meninas que Sonham (Pétalas d'água!) e nem mesmo no livro de Caleidoscópio Interior
 
Eu carrego as incertezas dentro de mim.
- Eu nunca saberei dizer – ao certo, e –
Nem ao menos somente, para mim mesmo.
Pensara, entretanto, que pudéssemos nós,
Amar-nos! Se reconciliássemos o destino de nós!
 
Entrelaçando os nossos espaços:
- Outra vez! Iguais às explosivas
Manifestações sexuais ininterruptas
Que se mostram: - Nos Reinos!
Das flores e das plantas,
E dos animais, enfim...
Da Natureza toda,
No tudo da Vida!
 
Seriamos o amor de nós, em nós!
Ao novamente, se fincássemos,
Uma total abstração atrativa,
Deste amor. Enquanto olhássemos
- Absorvidos em nós – para uma
Força infinda – e que atuasse,
Porventura, em nós. Por nós!
- E num ímpeto, amássemos...!
 
Todas as mais belas, e fantasiosas
Aventuras! – Em que pudéssemos,
- Enfim – nos perdermos em nós!
- Até nos reencontrarmos. Plenos
De venturas. Dentro dos perfeitos
Brilhos cintilando nos nossos olhares!
 
Sem que nos apercebêssemos – então –
De que até pudéssemos fincar flechas.
- Neste poder abstrativo com volúpias
Das chamas. Ardentes chamas, deste
Reacendido amor. Para que enfim,
Reencontrássemo-nos, nos abusos
Do incógnito traçado pelos alheamentos
Dos nossos clamores. Quando enfim,
Nos sintonizássemo-nos numa compreensão
De que deste amor, esparramando-se em nós,
Seríamos apenas um reencontro dos restos
Das ilusões despercebidas, perdidas!

Nenhum comentário: