Caminho pelas Estrelas Follow by Email

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Poema: A MINHA PAZ! Autor: Odenir Ferro


Poema: A MINHA PAZ!
Autor: Odenir Ferro

Gosto deste manto da minha Paz
Ao ficar no meu mundo, envolto.
Deixando adormecido, muito embora,
Sempre latente, o meu tão impulsivo
Amoroso explosivo Vulcão interior.

Gosto de ir adormecendo, refletindo,
Olhando a viva nudez do meu espelho.
Dançando reflexos do amor e do sonho
Nas sonoras margens destas superfícies
Plácidas! Dentro deste lago vulcânico,
Existente solene inerte na verve de mim!
Bem no mais alto deste topo rochoso,
Nesta montanha, abrigo do Vulcão!

Adormecido Vulcão que me enriquece!
Desconhecido Vulcão que me silencia
Nas incontidas palavras das razões,
Implosivas no meu doído eu cativo.
Das dores desconhecidas por mim,
Nos desafetos traiçoeiros reles.
Corrosivas mesquinhas emoções.

Adormecido Vulcão que estremece a Paz!
Onde no lago, tudo é silêncio noturno.
Onde a Lua cheia reflete fios prateados
Iluminando o sono e o sonho dos peixes.
Que silenciosos, esperam das rotineiras
Dádivas das manhãs numa monotonia igual
Sempre igual, a tantas e tantas outras!

Esperando esplendidas belezas velozes,
Quando o Amigo Sol, na sabedoria capaz,
Vem trocar a sua luz com a luz da Lua!
Quando vaidosas estrelas, adormecem
Cobrindo-se no silêncio do sereno!

Deixando o lago impregnado pelos exóticos
Perfumes extraídos da Seiva da Eternidade!
Num puro encanto de Perfeição, nesta Paixão
Esparramada no tépido da bruma, que vagarosa,
Pouco a pouco, vai se dissolvendo vaporosa
No calor do dia. À medida que o Sol eleva-se
No infinitivo cintilante azul do Eterno Céu!

Maravilhoso Céu, que me inspira os encantos
De sons ouvidos dentro da minha sonora Paz!
Dentro da harmonia dessa Paz, tão explosiva,
Que me aquiesce o coração ao ir entorpecendo-me
Com Códigos da Eternidade que caem na minh'alma!

Rabiscando no meu coração, resenhas, frases,
Senhas que desconheço, mas afoito, busco conhecer.
Quando amoroso e humano quero compreender
O que elas vão, sedimentando-se plácidas,
Neste lago onde atuam as minhas memórias.

Das sonoras e adocicadas águas das emoções
Entorpeço minh'alma no néctar das vivências
Que se desprendem tal qual sempre tão iguais
Às amarelecidas folhas, que outonais, dançam
Aos ventos do Amadurecimento, ao acaso,
Voando rumo à sombria Eternidade!

Salpicadas de profundos enternecidos
Torpores, deixados pelos resquícios,
Vão as amorosas memórias duma vida,
Um nome, ou as emoções históricas,
Carregando o perfil de cada um.

Onde o Amor é Seiva aromática da Vida
Que vem atirar as esculpidas flexadas
Dos amores saídos do Cupido do Amor
Residente nos nossos corações!





 

Enc: Poema AGORA EU SOU REI, de Tito Olívio



----- Mensagem encaminhada -----
De: Tito Olivio
Para: Tito Olivio
Enviadas: Domingo, 19 de Fevereiro de 2012 17:13
Assunto: Poema AGORA EU SOU REI, de Tito Olívio

 
 
AGORA EU SOU REI
 
 
 (Ricardo Coração de Leão)
 
 
Tragam-me a chave de ouro da cidade
E o ancião que tenha mais idade,
A coroa e o cetro do poder!
Serei talvez um rei que não tem trono,
Mas ninguém vai dizer que é o meu dono,
Sob pena de na cela apodrecer.
Virão todos um dia agradecer
Que eu seja arguto e não um simples mono,
A deixar o vassalo ao abandono,
Pois quem governa deve proteger.
 
Não peçam pra mostrar minha linhagem,
Que eu descendo direto da paisagem
E sou o mensageiro das estrelas!
Minha missão consiste em ter mão dura,
Seguir meu norte sempre na procura
Das soluções que acalmem as procelas.
Antes de tudo, abram as janelas,
Deixem entrar o ar, para a loucura
Ir procurar a rota da secura,
Onde o demónio guarda as taramelas!
 
Plantem flores de esp'rança no quintal
E sonhos de amor dentro do bornal,
Dizendo em voz alta: vou sorrir!
O amanhã quer brilhar em nossas mãos,
Sendo todos iguais, todos irmãos,
Em marcha alegre até a paz florir.
Então o novo Éden vai surgir,
Quando já não houver ritos pagãos,
Quando nós todos formos cortesãos
Dum reino que não há, mas há de vir.
 
 
Faro, 28-01-2012      (02h00)
Tito Olívio