Caminho pelas Estrelas Follow by Email

sábado, 31 de março de 2012

Fotos do Evento de Lançamento do Livro Às Meninas que sonham (Pétalas d'água), por Odenir Ferro


 
À

Todos os meus Excelentíssimos Convidados presentes, e também aos que não puderam ir por um motivo ou outro, o meu muito obrigado!

Fiquei muito feliz com o Evento de lançamento do livro Às meninas que sonham (pétalas d'água)

Sem as edições, foram mais de 200 fotos, registradas pela competente fotógrafa Katia Guidotti!

Além das filmagens que também sem edições, totalizaram mais de 1h20min., que ficou a cargo do fotógrafo e

cinegrafista Thiago!

A todos,

O meu reconhecido

Muitíssimo Obrigado!

Gde. Abraço,

Excelente semana,

Odenir

(Tem mais fotos, e filmagem, aguarde, bjs., gde. abraço!)

Obrigado pela significativa presença no meu

Evento de Lançamento do Livro de Poemas

Às Meninas que Sonham (Pétalas d'água) por Odenir Ferro

CRÉDITO ÀS EXCELENTES FOTOGRAFIAS, COOPYRIGHT BY: FOTÓGRAFA KATIA GUIDOTTI,

ÁREA Da CULTURA, CENTRO CULTURAL DE RIO CLARO (SP) BRASIL

Abaixo, segue link aonde é possível comprar exemplares do meu livro:

http://www.editoramultifoco.com.br/literatura-loja-detalhe.php?idLivro=732&idProduto=756



Obrigado,

Odenir Ferro

Escritor, Poeta,

Embaixador Universal da Paz























Poema: Sombras desta Noite, Autor: Odenir Ferro




Poema: SOMBRAS DESTA NOITE
Autor: Odenir Ferro

Suavemente, a noite cai
Nos silêncios do meus
Pensamentos!
E sem ressentimentos,
Finda-se a entristecida
Tarde. E vai-se...

Desvendando os mistérios
Segredados da noite,
Remansos toados.
Sinto no calor
Do meu peito aquiecido,
O coração a esvair-se

Deste meu eu amargurado.
Procurando conquistar uma saída,
Esmiuçando-se nas estradas das
Minhas emoções guaridas...
Há um frescor reminicente
Do sulco doce, sabiamente escolhida,

Da fruta do amor meu, guarnecido nas
Palavras ressentidas. Cai a noite,
E cresce a lua altiva,
Rebrilhando fulgurante!

As lânguidas sombras e solenes
De o meu caminhar tão desvalido,
Vai deixando tácitas sensações,
Suaves e cálidas... Retumbantes!

Propulsoras deste meu impávido
Caminhar no amor itinerante!
Deixando fluir e refluir todos
Os ecos dos sinos tinidos,

Retraídos e atraídos pelos meus sonhos,
Ao caminhar nas sombras desta noite.


Obs.:- Este poema foi escrito no ano de 1999

Fotos do Lançamento do Livro ÀS MENINAS QUE SONHAM (Pétalas d'água), autor: Odenir Ferro


Fotos: Coopyright by, Fotógrafa Katia Guidotti
Área Cultural, Rio Claro, Estado de São Paulo, Brasil

Endereço do Site aonde encontrar exemplares do livro impresso:





sexta-feira, 30 de março de 2012

Enc: por todas as vitimas... pour toutes les victimes...for all the victims...Para todas las victimas...



----- Mensagem encaminhada -----
De: Cercle Univ. Ambassadeurs de la Paix
Para:
Enviadas: Sexta-feira, 30 de Março de 2012 4:10
Assunto: Fw: por todas as vitimas... pour toutes les victimes...for all the victims...Para todas las victimas...


 de notre ambassadrice HELENICE MARIA TASK  BRASIL. 
 
 
 
Por todas as vítimas da fome rezemos aos céus
por todas as vítimas do crime de tortura rezemos aos céus
por todas as  vítimas do crime de discriminação rezemos aos céus
por todas as vítimas e erros judiciários rezemos aos céus
por todas as vítimas de erros médicos rezemos aos céus
por todas as vítimas de crime contra a vida rezemos aos céus
por todas as vítimas de omissão de socorro rezemos aos céus
rezemos aos céus por todos os órfãos em territórios deflagrados
rezemos aos céus pelas testemunhas
rezemos aos céus pelos velhos
pelas crianças,pelas mulheres
pelos homens de boa vobtade
rezemos aos céus pelas flores pelo perfume da PAZ
 no coração dos homene ,sob um céu estrelado
rezems para boa colheita em todas as terras destas plagas
e para todos os poderes deste mundo
peçamos o perdão das nossas faltas

Pour toutes les victimes de la faim priez les cieux 
pour toutes les victimes du crime de la torture priez les cieux
 pour toutes les victimes de la discrimination priez les cieux
 pour toutes les victimes et erreurs judiciaires priez les cieux 
 pour toutes les victimes d'erreurs médicales priez les cieux 
pour toutes les victimes de crime contre la vie priez les cieux
 pour toutes les victimes d'omission d'aide priez les cieux
 priez les cieux pour tous les orphelins sur des territoires enflammés
 priez les cieux pour les témoins
 priez les cieux pour les personnes âgées 
pour les enfants, pour les femmes
 pour les hommes de bonne volonté 
priez les cieux pour les fleurs
 pour le parfum de la PAIX dans le coeur
des hommes sous un ciel étoilé
 priez pour les bonne récoltes sur toutes les terres  
et pour tous les pouvoirs de ce monde
 demandez le pardon de nos fautes 
For all the victims of the hunger request skies 
for all the victims of the crime of torture request skies 
for all the victims of discrimination request skies
 for all the victims and miscarriage of justices request skies
 for all the victims  medical errors request skies
 for all the victims of crime against the life request skies
 for all the victims omission assistance request skies
 request the skies for all the orphans on ignited territories
 request the skies for witnesses 
request the skies for elderly
 for the children, women 
for the men of good will
 request the skies for flowers
 for the perfume of PEACE in the heart of the men under a starry sky
 request for good harvests on all grounds
 and for all the capacities of this world
 ask for the forgiveness of our faults 
Para todas las víctimas del hambre ruegan los cielos
 para todas las víctimas del crimen de la tortura ruegan los cielos
 para todas las víctimas de la discriminación ruegan los cielos
 por todas las víctimas y errores judiciales ruegan los cielos
 para todas las víctimas  errores médicos ruegan los cielos
 para todas las víctimas de crimen contra la vida ruegan los cielos
 para todas las víctimas omisión  ayuda ruegan los cielos
 ruegan los cielos para todos los huérfanos en territorios encendidos
 ruegan los cielos para los testigos
ruegue los cielos para los ancianos
 para los niños, para las mujeres 
para los hombres de buena voluntad
 ruegue los cielos para las flores 
para el perfume de la PAZ en el corazón
 de los hombres bajo un cielo estrellado
 ruegan para las buenos cosechas sobre todas las tierras
 y para todos los poderes de este mundo
 pida el perdón de nuestras faltas 
&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&& 


quinta-feira, 29 de março de 2012

Enc: Inquietudine | Abertura: 02/04



----- Mensagem encaminhada -----
De: MIS - Museu da Imagem e do Som
Para: odenir.ferro@yahoo.com.br
Enviadas: Quinta-feira, 29 de Março de 2012 19:08
Assunto: Inquietudine | Abertura: 02/04
Descadastre-se caso não queira receber mais e-mails.

Enc: [Mensagens_LunaeAmigos] A arte de traduzir poesia



----- Mensagem encaminhada -----
De: Daspet
Para: Grupo Luna & Amigos Luna e Amigos; MENSAGENS LUNA & AMIGOS Mensagens Luna e Amigos; Grupo Associação Interancional  Associacao Internacional Poetas del Mundo; Forum Grupo Forum de Cultura MS
Cc: Graça Ribeiro
Enviadas: Segunda-feira, 26 de Março de 2012 16:36
Assunto: [Mensagens_LunaeAmigos] A arte de traduzir poesia

 
----- Original Message -----
From: Graça Ribeiro
 
 
 

A arte de traduzir poesia

O escritor e professor Paulo Henriques Britto expõe sua visão de tradução e explica, com exemplos práticos, todos os elementos que devem ser levados em conta na tradução poética.
Por: Paulo Henriques Britto
Publicado em 24/03/2012 | Atualizado em 24/03/2012
A arte de traduzir poesia
O escritor levanta a questão: quais são os elementos de um poema que devem ser recriados para que a tradução possa ser considerada uma tradução desse poema? (foto: Pat Kilgore/ exposição Seu Sami, de Hilal Sami Hilal/ Museu Vale/ Itinerância MAM RJ)
A tradução é uma forma de reescrita; traduzir é reescrever um texto numa língua diferente. O objetivo é produzir um texto que possa substituir o original, para aqueles que desconhecem o idioma em que ele foi escrito. O tradutor é, pois, um tipo específico de autor.
O ofício do tradutor é semelhante ao do ator: ele exige do público a "suspensão voluntária da descrença"
Visto, porém, de outro ângulo, seu ofício é semelhante ao do ator: ele exige de seu público o que o poeta e crítico romântico inglês Samuel Taylor Coleridge chamava de "suspensão voluntária da descrença". 
Quando vou ao teatro – um teatro convencional –, sei que o ator que vejo à minha frente é um ator; voluntariamente, porém, ponho de lado esse conhecimento e, num outro nível da minha consciência, encaro-o como se ele fosse Hamlet, o príncipe da tragédia de William Shakespeare, suspendendo minha atitude de descrença em relação à existência real de Hamlet e à identificação entre ator e personagem. 
Do mesmo modo, quando leio uma tradução de Liev Tolstói ponho entre parênteses, por assim dizer, meu conhecimento do fato de que estou lendo um texto em português produzido por um tradutor brasileiro, e faço de conta que o livro que tenho nas mãos foi escrito por um autor russo em seu próprio idioma.  


Contar a história e imitar o estilo

O trabalho do tradutor exige que ele não apenas conte a mesma história contada por Tolstói, mas também que imite as peculiaridades de Tolstói como escritor, aquilo que encaramos como suas marcas de estilo: seu jeito de apresentar os personagens, de comentar toda a ação de um plano superior que lhe confere uma autoridade quase divina, sua maneira de utilizar a sintaxe etc.
O produto final da tarefa do tradutor tem que ser um romance em português, e mais: um romance em português que pareça, de algum modo, ter sido escrito por Tolstói.
Todas as exigências feitas à tradução de um texto em prosa ficcional se impõem ao tradutor de poesia
Todas as exigências feitas à tradução de um texto em prosa ficcional se impõem ao tradutor de poesia. Quando me proponho a traduzir um poema de Emily Dickinson, meu objetivo é produzir um texto que seja um poema em língua portuguesa e que também seja, de algum modo, um poema de Dickinson. 
É preciso 'dizer a mesma coisa' que Dickinson diz, e também dizê-lo do modo como ela o diz no inglês, um idioma muito diferente do português. Mas no caso da poesia, a exigência de escrever à maneira do autor original tem implicações drásticas. Na prosa de ficção ocidental parece possível, ao menos à primeira vista, estabelecer prioridades: há uma história a ser contada, que envolve determinados personagens num meio físico e social determinado; recriar isso seria o objetivo fundamental do trabalho do tradutor. 
Labirinto de livros
A tradução de um poema que não leve em conta a divisão em versos e os elementos rítmicos que caracterizam o original não é sequer uma tradução, diz o escritor. (foto: Pat Kilgore/ Sherazade - exposição Seu Sami, de Hilal Sami Hilal/ Museu Vale)
Criticamos negativamente uma tradução do romance Ana Kariênina que não reproduza com muita fidelidade alguns traços estilísticos do autor; mas se no texto que nos é apresentado como uma tradução de Ana Kariênina a personagem central é turca e não russa, e é uma esposa convencionalmente virtuosa e não uma adúltera, negamos o próprio status de tradução desse texto. 
Quando se trata de traduzir um poema, porém, nem mesmo isso pode ser pressuposto. Tomemos como exemplo o poema 108 de Emily Dickinson:
Surgeons must be very careful
When they take the knife!
Underneath their fine incisions
Stirs the Culprit — Life!
A primeira questão que se coloca ao tradutor é esta: que elementos deste pequeno poema é fundamental recriar para que a tradução resultante possa ser considerada uma tradução desse poema, ainda que não necessariamente uma boa tradução? 
Um leitor sem nenhuma sensibilidade para a poesia (e eles são muitos, infelizmente) poderia responder: o mais importante é recriar a estrutura de significados do original. 
Nesse caso, poderíamos dizer que uma tradução possível do poema seria esta: "Os cirurgiões precisam ter muito cuidado quando pegam a faca. Sob suas incisões precisas mexe-se o culpado — a Vida!"
Qualquer leitor, porém, que seja minimamente capacitado para a leitura de poesia dirá: mas isso não é um poema! De fato, uma má tradução de Ana Kariênina, por mais que ignore as opções estilísticas de Tolstói, continua sendo um romance; mas a tradução de um poema que não leve em conta a divisão em versos e os elementos rítmicos que caracterizam o original não é sequer uma tradução do poema, e sim algo diverso: uma paráfrase do poema em outro idioma, um texto que visa auxiliar a leitura do poema e não substituí-la.
Paulo Henriques Britto
Departamento de Letras 
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

 


Enc: Abertura individuais de Pingarilho e Onio



----- Mensagem encaminhada -----
De: galeria LOGO
Para: odenir.ferro@yahoo.com.br
Enviadas: Quarta-feira, 28 de Março de 2012 21:51
Assunto: Abertura individuais de Pingarilho e Onio
 


A galeria LOGO convida para a abertura das exposições individuais dos artistas Emerson Pingarilho e Adriano Cinelli.

Na sala 1, Emerson Pingarilho apresenta ZÆON, uma imersão no seu universo dinâmico e enigmático através de pinturas, serigrafias, esculturas, bandeiras, um livro de artista e uma performance que realizará durante a abertura da mostra. ZÆON é um nome que Pingarilho criou para lidar com sua exploração do geometrismo matemático através da incorporação de símbolos. Uma busca que também invoca experiências visuais baseadas em rituais amazônicos experimentados pelo artista. Ainda será lançado o CD com zine de AZTRAK, o projeto visual e musical de Pingarilho (guitarra e baixo) ao lado de MJP (sintetizadores e bateria eletrônica). 

Na sala 2, Adriano Cinelli, mais conhecido pelo pseudônimo Onio, mostra pinturas sobre tela em grande formato, desenhos e instalações na exposição Mapeamento Gráfico Aleatório. As tubulações, aglomerações e maquinários impossíveis que compõem o emaranhado gráfico de sua obra, são originados de um processo que chama de Infinitografia. Algo como um quase controle e uma extrapolação do desenho automático feito enquanto se conversa pelo telefone, por exemplo. Mas também uma estratégia para conectar a linha com diferentes áreas da mente, mapeando os interesses visuais do artista.
 
 
ZÆON - Emerson Pingarilho
Mapeamento Gráfico Aleatório - Adriano Cinelli (Onio)
 
> abertura sábado, 31 de março, das 11h às 19h

visitação de 1º a 28 de abril
de terça a sábado, das 11h às 19h
 

 
 
 
galeria LOGO
rua Artur de Azevedo, 401
Jardim Paulista
São Paulo, Brasil
tel 55 11 3062 2381

quarta-feira, 28 de março de 2012

Enc: Balé Neoconcreto I e II



----- Mensagem encaminhada -----
De: Pinacoteca do Estado de São Paulo
Para: odenir.ferro@yahoo.com.br
Enviadas: Quarta-feira, 28 de Março de 2012 10:01
Assunto: Balé Neoconcreto I e II

 


 


terça-feira, 27 de março de 2012

Enc: Sempre às quintas na Pinacoteca: Lygia Pape



----- Mensagem encaminhada -----
De: Pinacoteca do Estado de são Paulo
Para: odenir.ferro@yahoo.com.br
Enviadas: Terça-feira, 27 de Março de 2012 15:02
Assunto: Sempre às quintas na Pinacoteca: Lygia Pape




 


Enc: a paz que eu quero ! la paix que je veux ! the peace wich ! la paz que quiero !



----- Mensagem encaminhada -----
De: Cercle Univ. Ambassadeurs de la Paix
Para:
Enviadas: Terça-feira, 27 de Março de 2012 5:21
Assunto: Fw: a paz que eu quero ! la paix que je veux ! the peace wich ! la paz que quiero !

 
 de notre ambassadeur EUGENIO DE SA PORTUGAL
       votre indulgence pour les traduction merci !
                                                     
A paz que eu quero
 
 
A paz que eu quero é feita de justiça
Não uma paz qualquer, a qualquer preço
Não pode ser um fim, mas um começo
Para acabar com a fome e a cobiça
 
Não quero hipocrisias, podridões
Em que com falsas falas se acarinha
Enquanto se praticam vis acções.
  
 
La paix que je veux 
 C'est que justice soit faite 
Pas une paix quelconque,
à n'importe quel prix 
cela ne peut pas être une fin
 mais un commencement
 Pour finir avec la faim et la cupidité 
 Je ne veux pas d'hypocrisies, 
 Qui avec de fausses paroles douteuses 
Pratiquent des actions viles.
 

The peace which I want
 It is that justice is made
 Not an unspecified peace
 with n' import which price 
that cannot be an end
 but a beginning
To finish with the hunger and cupidity 
 I do not want  hypocrisies,
 Who with false doubtful words
Actions viles. practise
 
La paz que quiero 
es que justicia se haga
 No hay una paz cualquiera,
a n' importe qué precio
 eso no puede ser a finales de
 pero un principio
 Para terminar con el hambre y la codicia 
No quiero hipocresías,
 Quién con falsas palabras dudosas
 Practican acciones viles.
&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&


segunda-feira, 26 de março de 2012

Enc: Programação 27 de março a 1 de abril



----- Mensagem encaminhada -----
De: MIS - Museu da Imagem e do Som
Para: odenir.ferro@yahoo.com.br
Enviadas: Segunda-feira, 26 de Março de 2012 20:34
Assunto: Programação 27 de março a 1 de abril

 
Informativo
 
Confira os destaques da programação desta semana
  27 mar 2012
 

®Nova Cultura Contemporânea

O MIS apresenta a 5ª edição do ®NOVA, festival multidimensional de cultura contemporânea da ROJO®. A mostra apresenta uma experiência única, reunindo a diversidade cultural da arte contemporânea com o uso de cores, luzes, texturas, música, design, composições artísticas colaborativas e integradas. Confira a programação completa.»
  27 mar 2012
 

Inquietudine

O MIS apresenta a mostra Inquietudine, do fotógrafo mineiro Salvino Campos. Na série de 25 fotos, o artista examina com sensibilidade notável a relação entre o ambiente e o indivíduo.»
  27 mar 2012
 

Convocatória Internacional

O LABMIS, Laboratório de Novas Mídias reabre inscrições para a Residência Internacional na Holanda. O programa visa fomentar a criação e a difusão de produções artísticas contemporâneas de acentuado caráter tecnológico por meio de residências. Confira a convocatória e participe!»
  27 mar 2012
 

Convocatória Hyperlink

O Núcleo Educativo do MIS abre Convocatória para a participação de escolas públicas do município de São Paulo e Grande São Paulo que tenham algum programa de educação pela arte em atividade no ano de 2012 para as três edições do projeto Hyperlink que acontecem neste ano.»
  27 mar 2012
 

Réquiem

O MIS apresenta a mostra Réquiem, da artista sérvia Gordana Manic. Radicada em São Paulo, a fotógrafa apresenta obras que produziu na tentativa de expurgar de sua memória o drama vivido na guerra em seu país de origem. Entrada gratuita»
  27 mar 2012
   

Cinema Expandido

Ministrado por Rejane Cantoni, o curso Cinema Expandido tem por objetivo abordar de modo teórico e prático a linguagem de dispositivos de cinema expandido, instalações imersivas, interativas e ou outros modelos de interfaces audio-tatil-visuais. Inscrições abertas.»
Descadastre-se caso não queira receber mais e-mails.

domingo, 25 de março de 2012



Poema: CANÇÃO FEITA DE AMORES E SONHOS!

Autor: Odenir Ferro



A vida, é sempre este exuberante, e intenso fascínio transpondo

Os despertamentos das realidades, nas mudanças de estações.

Nestes ciclos intermináveis, nuns avanços contínuos, mutantes,

Enquanto todas as estruturas locais permanecem sempre

As mesmas; muito embora constantemente, momento a

Momento, vão renovando-se com a força da constância

Atuante entre a metafísica da Vida, o Tempo, e as forças

Envolventes entre todos os locais naturais, espalhados

Pelo nosso arqui bilionário ancião eterno planeta Terra!



Enquanto aqui, na América Latina, começamos a nova

Realidade da estação outonal, pelas grandes partes da

Europa, começa a reflorir-se a primavera, recriando todos

Os seus novos encantos. Por aqui, as folhas começam a

Desprenderem-se das árvores, e a temperatura vai,

Gradativamente, tornando-se mais amena; e tudo

Vai ficando mais aconchegante, preparando-nos

Para o rigoroso, ou não, inverno que logo, logo,

Chegará até nós. Transmutando-se dentre dele

Mesmo, todos os magnifícos cenários locais.



Portanto, entretanto, acolá, na Europa, as claridades

Das manhãs, já se enfeitam de flores tremeluzentes ao

Som dos ventos, dos pássaros, dos murmúrios das águas

Que vão circundando-se entre as pedras, compondo cores

Nos sons dançantes dos impulsos da vida que se revigora,

No tépido clima ameno da primavera, que se refloresce

Perpetuando-se na realidade dos ciclos das estações!



E assim, vamos caminhando dentro desta invisível e

Sempre tão criativa história acolhida pela Sabedoria

Inquestionável da Divindade Criativa da força de Deus!

Sempre regendo esta orquestra invisível, para dar-nos,

Ano a ano, momento a momento, estes seus misteriosos,

Supremos acordes da Canção feita de Amores e Sonhos!

Enc: Visita do Imperator atingirá outras capitais brasileiras....



----- Mensagem encaminhada -----
De: Setor de Divulgação - AMORC SP
Para: odenir.ferro@yahoo.com.br
Enviadas: Domingo, 25 de Março de 2012 12:35
Assunto: Visita do Imperator atingirá outras capitais brasileiras....
Setor de Divulgacao - AMORC SP1
Estamos em um ano muito importante para a Ordem Rosacruz no Brasil...
Saudações Rosacruzes, Odenir, 


 
Ecologia e Espiritualidade combinam?
 
O conhecimento rosacruz situa-se no campo da Tradição Esotérica Ocidental. O termo esotérico vem do grego esoterikós significando conhecimento interior daquilo que pertence ao místico ou reservado aos iniciados. Assim, vincular a Ecologia à Espiritualidade mostra-se como um grande movimento - espiritual, religioso, intelectual - que poderia ser definido como a busca do sentido arcano, transcendente, e da experiência iniciática, individual e plena, em um mundo que vem perdendo sua ligação com o sagrado. Isto é, no caso do esoterismo moderno, busca a experiência iniciática na era do descrédito e da crítica às religiões e da ascensão definitiva da ciência racionalista como fonte primordial de saber e gnose.
 
Trata-se de uma perspectiva que articula a Teoria da Evolução com a Teoria da Criação, ou seja, Deus criou um universo que está em evolução, portanto não é estático nem se orienta para um simples retorno ao Criador. Neste sentido, a prática da Ecologia Espiritual é fundamental, pois torna clara a importância da ação humana no desenvolvimento da consciência, pelo uso consciente dos recursos que permitem aos seres humanos evoluir. Praticantes da Alquimia Mental, através do estudo e da prática ritualista-iniciática, semanalmente trabalham para a evolução espiritual da humanidade em seus rituais.
 
Assim, o Movimento pela Ecologia Espiritual é um chamado aos homens e mulheres de boa vontade, às instituições em todos os campos sociais, para que juntos possamos ser mais uma força contribuindo para a  instauração de uma época de paz, harmonia e abundância de forma sustentável de modo a promover a evolução da humanidade e o desenvolvimento da consciência humana.
 
 
 
 
 
 
Nos despedimos, enviando a todos nossos votos sinceros de paz profunda