Caminho pelas Estrelas Follow by Email

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Mars Lasar Valley Of The Giants e Poema: VOU, CAMINHEIRO SENSITIVO, Autor: Odenir Ferro


PoemaVOU, CAMINHEIRO SENSITIVO,
Autor: Odenir Ferro

Quando pensamos que já nos acomodamos, nos acostumamos,
Nos ajeitamos, nos fartamos, nos realizamos, enfim... Dizemos:
Alheios ou submissos, íntegros, disperssos, ou apenas relapsos:
- Creio que seja isto tudo a minha vida dentro deste Todo!...
Então, não, surpresos, redescobrimos as nossas intermináveis,
Inalienáveis fronteiras. Que vão muito mais além do que nós
Próprios imaginávamos... O Amor percorre muitas almas,
Ele é elétrico, é magnético, é atemporal, e não se submete
As regras pequenas. Pequenos, estáticos, somos nós, às vezes!
Vou assim sentindo e vivenciando as doçuras e as dores da minh'alma...
Aconchegando-me com os meus indiscretos sorrisos, pois, é inegável,
Eu estou muito feliz! Mesmo que disfarçasse apertando os meus lábios,
Os meus olhos me trairiam, pois lacrimejantes, desnudariam o meu coração
Colocando minha alma nua em pelo; para mostrar os mistérios das minhas paixões!
Saber que sigo, que vou e volto como as ondas dos mares, que sentem e que se sintetisam-se nas suas
Composições metafísicas, as alquímicas concordâncias com os ventos assoprando
Nas areias dos Continentes, as maresias, os sonhos, as ilusões e as desilusões daqueles que amam...
Vou, caminheiro sensitivo, assim como os viandantes mares despojando-se das vaidades
Para perpetuar-se na sublimação maior deste Amor que é insosso, inodoro, incolor, mas, muito embora, abrasivo
Abrangente, envolvendo-se com todas as nuanças das químicas que se entrelaçam
Buscando as coerencias fluentes do sentido da vida, enquanto caminhamos rumo
Ao infinito, ao encontro deste mistério que é a perpetualidade da existência!

Mars Lasar The Blessing (relax3)

Poema: TAPETES DE SONHOS Autor: Odenir Ferro

NASA Image of the Day WISE'S New View of the Barnard 3
Nebula (Festival of Lights)

Jan Havicksz. Steen:



Adoration of the shepherds

oil on canvas, between 1660 and 1679

Rijksmuseum, Amsterdam


Poema: TAPETES DE SONHOS
Autor: Odenir Ferro

Nesta plácida claridade estimulante,
Dentro deste meu tão sincero poetizar
Sobre a vida, nos amores e os sonhos,
Sou um navegante tácito e tranquilo.

Dentro deste rio caudaloso e fluente
Que se esvai do interior vívido em mim,
Nas inúmeras vezes em que paro, refletindo
Sobre esta intensa aura de Luz emocionante

Que preenche as linhas, ainda tão brancas,
Com páginas e mais páginas com os meus escritos.
Enquanto vou me apaixonando pelas Letras...!
Aonde teço os esplendorosos e miraculosos,

Tapetes de sonhos reais. Refazendo na Arte,
A pureza verbal dos meus desencantos
Que me ferem nos augúrios ardores
Que me despe da minha realidade,

Para se nutrirem com os romances...
Para se investirem dentro do sensível
Que se cobre das flores despetaladas
Nas páginas que se tecem de destino!

Em páginas que se cobrem de sentidos
De refluídos ressentimentos dos ardores
Emocionados nos impulsos feitos de vidas
Enredadas entre as realidades e os sonhos!