Caminho pelas Estrelas Follow by Email

sábado, 11 de junho de 2011

Fernando Pessoa - Poema em Linha Reta




Título do Poema: POEMA EM LINHA RETA



Autor: FERNANDO PESSOA



(Heterônimo: Álvaro de Campos)



Nunca conheci quem tivesse levado porrada.



Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.






E eu, que tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,



Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,



Indesculpavelmente sujo,



Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,



Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,



Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,



Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,



Que tenho sofrido enxovalhos e calado,



Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;



Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,



Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,



Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,



Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado



Para fora da possibilidade do soco;



Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,



Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.






Toda a gente que eu conheço e que fala comigo



Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,



Nunca goi denão príncipe - todos eles príncipes - na vida...






Quem me dera ouvir de alguém a voz humana



Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;



Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!



Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.



Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?






Arre, estou farto de semideuses!



One é que há gente no mundo?






Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?



(NÃO, FERNANDO PESSOA!: -ODENIR FERRO TAMBÉM O É! E COM MUITO ORGULHO!)



Poderão as mulheres não os terem amado,



Podem ter sido traídos - mas ridícoulos nunca!



E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,



Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?



Eu, que venho sido vil, literalmente vil,



Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.






Fw: mélancolie melancolia melancoly melancolia



--- Em sáb, 11/6/11, Cercle Univ. Ambassadeurs 

 escreveu:


De: Cercle Univ. Ambassadeurs

Assunto: Fw: mélancolie melancolia melancoly melancolia
Para:

Data: Sábado, 11 de Junho de 2011, 0:27

           de notre ambassadeur Me Serge H. Moïse  HAÏTI

                votre indulgence pour les traduction merci !

                                                                                           

            
 

                       Mélancolie

 

                                    Ce cœur angoissé

                                    Qui sans cesse pleure.

                                    Qui lentement se meurt

                                    Sans en dire la raison 

                                    Puisqu'à l'horizon

                                    Tout a l'air moribond

 

                                    Ce cœur qui s'impatiente

                                    Se languit, se lamente

                                    Désespéré de son amante.

                                    Adorable pourtant

                                    La plupart du temps.

                                    Qui retient avec entêtement

                                    Les élans naturels de son cœur

                                    Pour des lendemains meilleurs

                                    Comme si, du bonheur,

                                    Elle se méfiait douloureusement.

 

                                     Vivre loin de l'amour et du rêve

                                     Des transis qui font la grève.

                                     Qui ont peur sans le savoir

                                     De l'avenir qu'il faut anticiper

                                     Façonner au coin du boudoir

                                     Car la vie est faite d'allégresse

                                     De joie, de bonheur et d'ivresse

                                   Encore faut-il le vouloir sans cesse.

 

                                                                                                                      

                                              Melancolía 

Este corazón apenado 
Quién sin cesar llore.
Quién lentamente se morir 
Sin en decir la razón
Puesto que a horizonte 
Todo tiene aire moribundo 
Este corazón queimpaciente 
Se languidece, se deplora
 Desesperado de sonido amante.
Adorable con todo 
La mayoría del tiempo.
Quién retiene con terquedad 
Los impulsos naturales de su corazón 
Para mejores día siguiente
 Como si, de la felicidad,
 Se desconfiaba doloreusement.
Vivir lejos de amor y del sueño 
Es el diario sin tregua 
Tiesos que hacen el grève.
Quiénes tienen miedo sin el conocimiento 
De futuro que es necesario anticipar
 Trabajar a la esquina del gabinete de señora
 Ya que la vida se hace alegría
 Por alegría, felicidad y embriaguez
 Aún es necesario quererlo sin interrupcion.
Melancholy 
This heart distressed
 Who unceasingly cry.
Who slowly dies
 Without saying reason 
of it since with horizon
 All has  air dying man 
This heart which impatient 
Languishes itself, regrets 
Despaired of sound amante.
 Adorable however 
Majority of the time.
 Who retains with stubbornness 
Natural dashes of its heart 
For better following days 
Like if, happiness, 
She was wary painfully.
To live far from love and of dream
 Is the daily newspaper without truce 
The stiff ones which makes the burden.
Who are afraid without knowledge 
Of future that should be anticipated
To work with the corner of boudoir 
Because the life is made joy 
Of joy, happiness and intoxication 
Still should it be wanted without cease.
Melancolia 
Este coração angustiado 
Que incessantemente chora.
Que lentamente se morre 
Sem compreender a razão 
dado que no horizonte 
Tudo tem  ar moribundo 
Este coração que impaciente 
Enlanguesce-se, lamenta-se
 Desesperado em som amante.
 Adorável no entanto 
A maior parte do tempo.
 Que retêm com enternecimento
Os impulsos naturais do seu coração 
Para os dias seguintes melhores 
Como se, da felicidade, 
Desconfiasse penosamente.
 Vivendo distante do amor e do sonho
 Num diário sem trégua 
Transidos que o fazem grave.
 Que têm medo sem o saber
 Do futuro que é necessário antecipar
Dando forma ao canto boudoir
 Porque a vida é feita de alegria
 De alegria, de felicidade e embriaguez
 Ainda é necessário querê-la sem cessaçao.
&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&