Caminho pelas Estrelas Follow by Email

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Crônica: http://groups.google.com/group/gentileza-caridade-e-solidariedade-pra... Autoria de o texto a seguir: Odenir Ferro por sugestão de Tuca Miran

Rembrandt Harmensz. van Rijn:
The Jewish Bride
oil on canvas, ca. 1665
Rijksmuseum, Amsterdam
Saudações a todos: Estou novamente publicando esta crônica pelo motivo de comemoração. Esta crônica é tida como a mais lida num dos sites que eu a publiquei. Mais de 1.000 pessoas já a leram. Creio que seja esta crônica a mais lida de todos os textos que escrevi até agora. Mais uma vez, desejo agradecer a todos.
Muitíssimo Obrigado!
Odenir Ferro

Crônica: http://groups.google.com/group/gentileza-caridade-e-solidariedade-pra...
Autoria de o texto a seguir: Odenir Ferro por sugestão de Tuca Miranda

Com a altíssima velocidade que ocorre dentro do fenômeno da
Comunicação atual no mundo moderno em que vivemos é preciso ter muito
tato e uma boa dose de diplomacia ao falar sobre assuntos que envolvam
comportamento, no tocante ao estilo de comportamento humano. E que é
manifestado de acordo com a índole ou a assimilação emocional fixada
no intelecto cognitivo que formou a individualidade de cada um, dentro
da composição que abrange os padrões de comportamento social.

Em muitas vezes, fica bem mais fácil avaliarmos um estilo de padrão de
comportamentos que envolvam o coletivo social, do que se atrever a
analisarmos um determinado tópico de estilo comportamental de um
determinado ser humano, apenas pela sua característica individual.
Manifesta dentro da composição comportamental através da sua
individualidade.
O ser humano, na sua individualidade, quando visto pela óptica do seu
contexto racional e emocional que abrange toda a sua vivência
existencial, torna-se complexo. Já, quando nos olhamos através das
nossas atitudes comportamentais englobadas num conjunto social humano,
fica mais fácil analisarmos e avaliarmos nossos manifestos, nossas
expressões, impressões e posicionamentos, em relação ao mundo externo
em que vivemos.

Quis fazer até aqui, uma espécie de pequena introdução para a temática
desta crônica, que é: Gentileza, caridade e solidariedade - pratique
este gesto.
http://groups.google.com/group/gentileza-caridade-e-solidariedade-pra...

São aspectos culturais e psicológicos do perfil de cada ser humano,
mas que refletem no contexto geral de uma sociedade, a prática destas
nobres atitudes.
Ser solidário com algo, alguma causa nobre, de elevados valores
culturais, sociais, ou ser solidário com alguém, engajar-se em
movimentos que valorizem e dignifiquem os seres humanos e as boas
causas em relação ao Planeta Terra, em geral, nos dias atuais, é bem
mais fácil, prazeroso e abrangente, do que no passado, creio eu.
Hoje temos muito mais recursos de força de expressão no sentido aos
meios de Comunicação, para posicionarmos firmes, mediante ao levar
avante as boas causas de boas atitudes que façam com que nos sintamos
de bem com o mundo, de bem com a vida. Ajudar ao próximo é ajudar a
nós mesmos. E ajudando-nos mutuamente, resolvemos muitas causas do
Planeta, que hoje embora nos pareça sombria, incógnito, amanhã poderá
ser vista com outros parâmetros, pois serão causas que poderão ser
solucionadas, a partir do momento em que nos predispusermos a
ajudarmo-nos mutuamente. Nós somos seres humanos, membros de uma
coletividade. Nós temos a força. Nós somos a maioria e todas as
minorias que estiverem querendo pretensiosamente ainda, nos manipular,
nos sobrepujar, enganar, nos iludir, nos extorquir, se arregaçarmos as
mangas, com certeza, e usarmos da força da sabedoria popular, com
certeza, sairemos vitoriosos.
Enfim, hoje temos muito mais recursos para nos posicionarmos firmes, e
construirmos um mundo mais digno, mais justo, mais amoroso, mais
humano, ao praticarmos atitudes simples, mas de significativos
valores, como a gentileza, a caridade, a solidariedade!
Sentirmos dentro de nós a comiseração, enfatizarmos com as
dificuldades do próximo, estender mãos, abrirmos, escancararmos a
alma, o coração, ajudar e ajudarmo-nos na construção de uma sociedade
mais certa e justa, mais humana, é poder sentir a realidade de
muitos dos nossos sonhos, sendo estampada no rosto pleno de
felicidade, na fisionomia do nosso próximo, do nosso irmão.
Tudo isso, não é utopia e muito menos vem a ser demagogia, a partir do
momento que arregaçarmos as mãos e nos predispusermos a pormos em
prática as forças que interagem entre as razões conciliadas com as
emoções, vistas do bom senso em relação as nossas
dificuldades e as dificuldades do nosso próximo. Quem divide soma e
ama e vive. E vive com qualidade de vida, pois vive em paz, vive
feliz!
E eu não vejo nenhuma poesia na prática destas atitudes, ou melhor, eu
não vejo apenas poesia, mas sim virtudes! Virtudes expressas através
da nobreza de caráter!
E é uma imensa virtude de caráter, para qualquer um de nós, quanto
seres humanos que somos praticarmos a solidariedade com o nosso
próximo. Que se pensarmos bem, esta atitude não deixa de ser pura
poesia, pois sermos solidários com o nosso próximo é uma atitude de
extremada sensibilidade e beleza de atitude estética, ética, real,
virtual, enfim, uma virtude digna de nobreza de caráter, quando
estendemos as nossas forças físicas e espirituais até o nosso próximo,
no sentido de o auxiliarmos.
Então, a prática da solidariedade também pode ser vista através do
ângulo da óptica poética. Pois é uma atitude geradora de extremada
beleza de dignidade de caráter para com o próximo e por que não dizer:
- Para com uma nova qualidade de vida futura para com o destino da
Humanidade, inclusive. São através dos pequenos gestos, dos pequenos
detalhes, que somamos e enriquecemos a qualidade do todo.
Devemos e temos por obrigação, sermos humanitários! É importante
lutarmos pela nossa Paz! É sublime lutarmos pela Paz dos nossos
irmãos! É supremo, chega ser até divino, lutarmos pela Paz Mundial!
É muito digno manifestarmos publicamente, as causas do nosso
exacerbado Amor!
É nobre nos sensibilizarmos, nos engajarmos em causas sociais e
humanitárias.

No início dos anos 1990, em Rio Claro - SP, Cidade Azul, na Rua 05
com a Avenida 05, onde hoje, atualmente funciona um Restaurante,
naquela época, era justamente onde funcionava um Cartório. Sempre que
eu ia até lá para fazer algum serviço, como tirar Xerox, autenticar
documentos, quando ficava aguardando a minha vez para ser atendido, eu
não me cansava de olhar (e até viajar profundamente em sonhos) para
um quadro que lá ficava exposto numa das paredes. E que era
distribuído por uma Imobiliária da Cidade.
Naquele quadro era possível ver uma semi-circunferência simbolizando
parte do planeta e sobre a linha divisória entre o planeta e o espaço,
via-se várias caricaturas de seres humanos de todas as raças, homens,
mulheres e crianças, todos de mãos dadas...
E também, naquele quadro, tinha a seguinte frase: "Se todos nós, nos
darmos as mãos, quem então, haverá de empunhar a arma?..."
É... Pois é...! Então, é pra se pensar, se refletir, se humanizar, se
amar, se aventurar e a vivermos o bem comum, sendo-nos um ser humano
do bem, voltado para o bem e as causas do bem comum!
É muito importante que possamos praticar os exercícios de
liberdades de cidadania e também exercermos o livre gozo de podermos
expressar nossos objetivos, anseios e realizações, sem nos deixarmos,
sem nos permitirmos sermos conduzidos por pessoas falsas que apenas
pretendem usar da manipulação política para impedir de crescermos como
cidadãos livres e soberanos que somos.
Somos dignos, quantos seres humanos que somos para vivermos e
exercermos as funções da plena igualdade, real liberdade e perfeita
justiça!

Quanto ao outro tópico da questão temática desenvolvida nesta crônica,
é a atitude e a prática da caridade.
Muito complexo o parâmetro social do efeito que esta palavra causa,
quando são exercitadas as suas funções na prática. Digo isso, não
pensando no Amor de Deus e ao próximo, aos atos da benevolência, da
compaixão, da virtude teologal, mas sim no sentido da esmola.
Neste sentido, ser caridoso, praticar a caridade, é, no meu conceito,
uma via de mão dupla. Esta atitude tanto pode trazer benefício, quanto
malefício. Tanto para quem pratica este ato, quanto pra quem recebe o
benefício (?) deste gesto.
Tudo depende de como praticamos este gesto e no emprego dele, nas
causas práticas deste gesto.
Existe um termômetro cognitivo Espiritual, que, por ser tão bem
elaborado pela metafísica vindas das sapientes mãos da Divina
Providência, que nenhum ser humano fica imune do índice da sua dosagem
de avaliação: - "Trata-se da nossa vida interior, manifesta pelas
temperaturas da nossa própria consciência".
E sofrer de dor de consciência é um mal terrível. - "Já vi gente
chorar por esta dor e também pelo remorso na minha frente, enquanto se
dizia ser meu amigo. É lamentável, profundamente lamentável"...
Então, pra resumir, caridade tem a ver com estados de consciência,
creio eu. Muitas vezes um ser humano procura praticar gestos de
caridade apenas para manifestar-se publicamente, socialmente, e desta
forma massagear o interior do seu ego corrompido pela própria maldade
existencial, que o machuca continuamente, dentro do seu mísero estado
interior...
Enfim, praticarmos a caridade torna-se um ato de consciência, de
manifestação individual, cuja causa enobrece o quadro social, embora
seja uma prática distinta, individual.
Voluntária ou involuntariamente, as profissões exercidas por médicos e
médicas, enfermeiros e enfermeiras, bombeiros e outras,
sintomaticamente costumam exercerem, refletirem, no quadro social, as
funções das práticas da caridade.
Hoje em dia, até a profissão de professor, professora exerce essa
prática, em alguns casos. Dado a falta de recursos para se transmitir
os processos cognitivos existentes na estrutura dos aprendizados
culturais. Tornando desta forma, cada vez mais inviável a classe do
professorado ter livre liberdade para transmitirem os seus
ensinamentos de mestres, aos leigos alunos estudantes, hoje em dia!
Principalmente os que frequentam escolas públicas, de ensino gratuito.
A caridade também é uma prática comportamental muito praticada nos
países que sofrem por estados de calamidades públicas e também em
países com conflitos de guerras e pós guerras.
Diante do caos e das calamidades provocadas pelos horrores das
guerras, os seres humanos perdem as máscaras estruturais do convívio
social. Tornam-se fragilizados e predispostos a serem uns simples e
humildes mortais, diante da força da natureza ou diante da força do
ódio manifestado através das guerras.
Então, deixa-se o egoísmo e o orgulho pessoal de lado e todos se unem
ao estenderem as mãos e se ajudarem mutuamente. Muito embora os
traumas deixados pelas guerras, nunca mais sai da mente e da
individualidade de um ser humano.
A implantação dos 05 SS deu-se dessa forma, no Japão pós Segunda
Guerra Mundial!
Diante do caos e da catástrofe, todos se voltaram para as causas
humanitárias, se reorganizaram diante das barbáries do caos
existencial e reconstruíram-se assim. Através da ajuda mútua, criando
os cinco sensos, que são: auto-disciplina, saúde, limpeza, ordenação
e utilização. Olhando para as nossas mãos, olhando para os cinco
dedos, nos lembraremos dos 05ss.
A profissão de Cientista é uma profissão de indescritível gesto de
nobreza para com o Amor, sublime Amor, exercido como a busca, a
procura, o resultado da descoberta de bens duradouros para toda a
Humanidade!
Creio que o caminho está na Ciência! É através da Ciência, conciliada
com os outros estudos, que encontraremos novas portas, novos caminhos,
que se abrirá para o nosso futuro. Futuro que será construído de uma
forma mais humana, mais amorosa, mais promissora, no sentido de
conquistarmos ou reconquistarmos o reli gare (religião) a ligação
entre a Humanidade com a Divindade, renovando assim as forças da
Natureza e do Planeta Terra! E desta forma reconquistar a harmonia
Humana e Divina através da Paz Mundial!
(Pelo pedido e sugestão da Tuca Miranda, primeira titular e fundadora
do Grupo Gentileza, caridade, solidariedade pratique este gesto, foi a
causa de eu ter elaborado esta Crônica. Espero que gostem!)
Odenir Ferro