Caminho pelas Estrelas Follow by Email

quarta-feira, 26 de março de 2008

Crônica: Gentileza, caridade e solidariedade pratique este gesto!

Crônica: http://groups.google.com/group/gentileza-caridade-e-solidariedade-pratique-este-gesto
Autoria do texto a seguir: Odenir Ferro por sugestão de Tuca Miranda


Com a altíssima velocidade que ocorre dentro do fenômeno da Comunicação atual no mundo moderno em que vivemos é preciso ter muito tato e uma boa dose de diplomacia ao falar sobre assuntos que envolvam comportamento, no tocante ao estilo de comportamento humano. E que é manifestado de acordo com a índole ou a assimilação emocional fixada no intelecto cognitivo que formou a individualidade de cada um, dentro da composição que abrange os padrões de comportamento social.

Em muitas vezes, fica bem mais fácil avaliarmos um estilo de padrão de comportamentos que envolvam o coletivo social, do que se atrever a analisarmos um determinado tópico de estilo comportamental de um determinado ser humano, apenas pela sua característica individual. Manifesta dentro da composição comportamental através da sua individualidade.
O ser humano, na sua individualidade, quando visto pela óptica do seu contexto racional e emocional que abrange toda a sua vivência existencial, torna-se complexo. Já, quando nos olhamos através das nossas atitudes comportamentais englobadas num conjunto social humano, fica mais fácil analisarmos e avaliarmos nossos manifestos, nossas expressões, impressões e posicionamentos, em relação ao mundo externo em que vivemos.

Quis fazer até aqui, uma espécie de pequena introdução para a temática desta crônica, que é: Gentileza, caridade e solidariedade - pratique este gesto.
http://groups.google.com/group/gentileza-caridade-e-solidariedade-pratique-este-gesto

São aspectos culturais e psicológicos do perfil de cada ser humano, mas que refletem no contexto geral de uma sociedade, a prática destas nobres atitudes.
Ser solidário com algo, alguma causa nobre, de elevados valores culturais, sociais, ou ser solidário com alguém, engajar-se em movimentos que valorizem e dignifiquem os seres humanos e as boas causas em relação ao Planeta Terra, em geral, nos dias atuais, é bem mais fácil, prazeroso e abrangente, do que no passado, creio eu.
Hoje temos muito mais recursos de força de expressão no sentido aos meios de Comunicação, para posicionarmos firmes, mediante ao levar avante as boas causas de boas atitudes que façam com que nos sintamos de bem com o mundo, de bem com a vida. Ajudar ao próximo é ajudar a nós mesmos. E ajudando-nos mutuamente, resolvemos muitas causas do Planeta, que hoje embora nos pareça sombria, incógnito, amanhã poderá ser vista com outros parâmetros, pois serão causas que poderão ser solucionadas, a partir do momento em que nos predispusermos a ajudarmos-nos mutuamente. Nós somos seres humanos, membros de uma coletividade. Nós temos a força. Nós somos a maioria e todas as minorias que estiverem querendo pretensiosamente ainda, nos manipular, nos sobrepujar, enganar, nos iludir, nos extorquir, se arregaçarmos as mangas, com certeza, e usarmos da força da sabedoria popular, com certeza, sairemos vitoriosos.
Enfim, hoje temos muito mais recursos para nos posicionarmos firmes, e construirmos um mundo mais digno, mais justo, mais amoroso, mais humano, ao praticarmos atitudes simples, mas de significativos valores, como a gentileza, a caridade, a solidariedade!
Sentirmos dentro de nós a comiseração, empatizarmos-nos com as dificuldades do próximo, estendermos mãos, abrirmos, escancararmos a alma, o coração, ajudar e ajudarmos-nos na construção de uma sociedade mais certa e justa, mais humana, é poder sentirmos a realidade de muitos dos nossos sonhos, sendo estampada no rosto pleno de felicidade, na fisionomia do nosso próximo, do nosso irmão.
Tudo isso, não é utopia e muito menos vem a ser demagogia, a partir do momento que arregaçarmos as mãos e nos predispusermos a pormos em prática as forças que interagem entre as razões conciliadas com as emoções, vistas com os olhos do bom senso em relação as nossas dificuldades e as dificuldades do nosso próximo. Quem divide soma e ama e vive. E vive com qualidade de vida, pois vive em paz, vive feliz!
E eu não vejo nenhuma poesia na prática destas atitudes, ou melhor, eu não vejo apenas poesia, mas sim virtudes! Virtudes expressas através da nobreza de caráter!
E é uma imensa virtude de caráter, para qualquer um de nós, quanto seres humanos que somos, praticarmos a solidariedade com o nosso próximo. Que se pensarmos bem, esta atitude não deixa de ser pura poesia, pois sermos solidários com o nosso próximo é uma atitude de extremada sensibilidade e beleza de atitude estética, ética, real, virtual, enfim, uma virtude digna de nobreza de caráter, quando estendemos as nossas forças físicas e espirituais até o nosso próximo, no sentido de o auxiliarmos.
Então, a prática da solidariedade também pode ser vista através do ângulo da óptica poética. Pois é uma atitude geradora de extremada beleza de dignidade de caráter para com o próximo e por que não dizer: - Para com uma nova qualidade de vida futura para com o destino da Humanidade, inclusive. São através dos pequenos gestos, dos pequenos detalhes, que somamos e enriquecemos a qualidade do todo.
Devemos e temos por obrigação, sermos humanitários! É importante lutarmos pela nossa Paz! É sublime lutarmos pela Paz dos nossos irmãos! É supremo, chega ser até divino, lutarmos pela Paz Mundial!
É muito digno manifestarmos publicamente, as causas do nosso exacerbado Amor!
É nobre nos sensibilizarmos, nos engajarmos em causas sociais e humanitárias.

No início dos anos 1990, em Rio Claro - S.P., Cidade Azul, na rua 05 com a avenida 05, onde hoje, atualmente funciona um Restaurante, naquela época, era justamente onde funcionava um Cartório. Sempre que eu ia até lá para fazer algum serviço, como tirar xerox, autenticar documentos, quando ficava aguardando a minha vez para ser atendido, eu não me cansava de olhar ( e até viajar profundamente em sonhos ) para um quadro que lá ficava exposto numa das paredes. E que era distribuído por uma Imobiliária da Cidade.
Naquele quadro era possível ver uma semi-circunferência simbolizando parte do planeta e sobre a linha divisória entre o planeta e o espaço, via-se várias caricaturas de seres humanos de todas as raças, homens, mulheres e crianças, todos de mãos dadas...
E também, naquele quadro, tinha a seguinte frase: "Se todos nós, nos darmos as mãos, quem então, haverá de empunhar a arma!?..."
É... Pois é...! Então, é pra se pensar, se refletir, se humanizar, se amar, se aventurar e a vivermos o bem comum, sendo-nos um ser humano do bem, voltado para o bem e as causas do bem comum!
É muito importante que possamos praticarmos os exercícios de liberdades de cidadania e também exercermos o livre gozo de podermos expressar nossos objetivos , anseios e realizações, sem nos deixarmos, sem nos permitirmos sermos conduzidos por pessoas falsas que apenas pretendem usar da manipulação política para impedir de crescermos como cidadãos livres e soberanos que somos.
Somos dignos, quanto seres humanos que somos, para vivermos e exercermos as funções da plena igualdade, real liberdade e perfeita justiça!

Quanto ao outro tópico da questão temática desenvolvida nesta crônica, é a atitude e a prática da caridade.
Muito complexo o parâmetro social do efeito que esta palavra causa, quando é exercitada as suas funções na prática. Digo isso, não pensando no Amor de Deus e ao próximo, aos atos da benevolência, da compaixão, da virtude teologal, mas sim no sentido da esmola.
Neste sentido, ser caridoso, praticar a caridade, é, no meu conceito, uma via de mão dupla. Esta atitude tanto pode trazer benefício, quanto malefício. Tanto para quem pratica este ato, quanto pra quem recebe o benefício (?) deste gesto.
Tudo depende de como praticamos este gesto e no emprego dele, nas causas práticas deste gesto.
Existe um termômetro cognitivo Espiritual, que, por ser tão bem elaborado pela metafísica vindas da sapiente mãos da Divina Providência, que nenhum ser humano fica imune do índice da sua dosagem de avaliação: - "Trata-se da nossa vida interior, manifesta pelas temperaturas da nossa própria consciência".
E sofrer de dor de consciência é um mal terrível. - "Já vi gente chorar por esta dor e também pelo remorso na minha frente, enquanto se dizia ser meu amigo. É lamentável, profundamente lamentável"...
Então, pra resumir, caridade tem a ver com estados de consciência, creio eu. Muitas vezes um ser humano procura praticar gestos de caridade apenas para manifestar-se publicamente, socialmente, e desta forma massagear o interior do seu ego corrompido pela própria maldade existencial, que o machuca continuamente, dentro do seu mísero estado interior...
Enfim, praticarmos a caridade torna-se um ato de consciência, de manifestação individual, cuja causa enobrece o quadro social, embora seja uma prática distinta, individual.
Voluntária ou involuntariamente, as profissões exercida por médicos e médicas, enfermeiros e enfermeiras, bombeiros e outras, sintomaticamente costumam exercerem, refletirem, no quadro social, as funções das práticas da caridade.
Hoje em dia, até a profissão de professor, professora, exercem essa prática, em alguns casos. Dado a falta de recursos para se transmitir os processos cognitivos existentes na estrutura dos aprendizados culturais. Tornando desta forma, cada vez mais inviável a classe do professorado ter livre liberdade para transmitirem os seus ensinamentos de mestres, aos leigos alunos estudantes, hoje em dia! Principalmente os que frequentam escolas públicas, de ensino gratuito.
A caridade também é uma prática comportamental muito praticada nos países que sofrem por estados de calamidades públicas e também em países com conflitos de guerras e pós guerras.
Diante do caos e das calamidades provocadas pelos horrores das guerras, os seres humanos perdem as máscaras estruturais do convívio social. Tornam-se fragilizados e predispostos a serem uns simples e humildes mortais, diante da força da natureza ou diante da força do ódio manifestado através das guerras.
Então, deixa-se o egoísmo e o orgulho pessoal de lado e todos se unem ao estenderem as mãos e se ajudarem mutuamente. Muito embora os traumas deixados pelas guerras, nunca mais sai da mente e da individualidade de um ser humano.
A implantação dos 05 SS deu-se dessa forma, no Japão pós Segunda Guerra Mundial!
Diante do caos e da catástrofe, todos se voltaram para as causas humanitárias, se reorganizaram diante das barbáries do caos existencial e reconstruíram-se assim. Através da ajuda mútua, criando os cinco sensos, que são : auto-disciplina, saúde, limpeza, ordenação e utilização. Olhando para as nossas mãos, olhando para os cinco dedos, nos lembraremos dos 05Ss.
A profissão de Cientista é uma profissão de indescritível gesto de nobreza para com o Amor, sublime Amor, exercida como a busca, a procura, o resultado da descoberta de bens duradouros para toda a Humanidade!
Creio que o caminho está na Ciência! É através da Ciência, conciliada com os outros estudos, que encontraremos novas portas, novos caminhos, que se abrirá para o nosso futuro. Futuro que será construído de uma forma mais humana, mais amorosa, mais promissora, no sentido de conquistarmos ou reconquistarmos o religare ( religião ) a ligação entre a Humanidade com a Divindade, renovando assim as forças da Natureza e do Planeta Terra! E desta forma reconquistarmos a harmonia Humana e Divina através da Paz Mundial!
( Pelo pedido e sugestão da Tuca Miranda, primeira titular e fundadora do Grupo Gentileza, caridade, solidariedade pratique este gesto, foi a causa de eu ter elaborado esta Crônica. Espero que gostem! )
Odenir Ferro

quinta-feira, 20 de março de 2008

DIVULGAÇÃO

DIVULGAÇÃO:
MINHA PÁGINA DE AUTOR

http://recantodasletras.uol.com.br/autores/odenirbeijaflor

Oração / Pensamentos / Reflexões: Ele está no meio de nós!

Oração / Pensamentos / Reflexões:
ELE ESTÁ NO MEIO DE NÓS!
Autor: ODENIR FERRO

22 DEUS PASTOR E HOSPEDEIRO

O Senhor é meu Pastor,
E nada me falta;
Colocou-me num lugar de pastos. /
Conduziu-me à água fortificante,
Converteu a minha Alma! /
Levou-me por veredas de justiça
Por causa do seu nome.
Por isso, ainda que ande
No meio da sombra da morte, /
Não temerei males,
Por que estás comigo. /
Tua vara e teu báculo
Me consolaram.
Preparaste uma mesa diante de mim, /
à vista daqueles que me perseguem. /
Ungiste com óleo a minha cabeça, /
E quão precioso é o meu cálice que embriaga!
Tua misericórdia irá após de mim /
Todos os dias da minha vida, / a fim
de que eu habite na casa do Senhor, /
durante longos dias.

Eu estava escrevendo um outro artigo.
Uma prosa poética, que deixei a complexidade do enredo pela metade.
Pretendo continuar e terminá-la, depois...
Estou com bastantes crônicas, textos, inéditos, que escrevi especialmente para postar nos Blogs. Poemas, textos, contos e crônicas que são para compor originais de livros, não costumo postar nos Blogs. Nem mesmo os poemas que já foram editados. Somente alguns que creio ser necessários para fazerem parte da configuração do meu Blog Caminho Pelas Estrelas, que creio seja harmonioso com os demais assuntos postados no Blog.
Minha primeira crônica que inscrevi para um concurso pela primeira vez, no ano passado, obteve classificação e foi publicada pelo www.celeirodeescritores.org. A minha crônica se chama Pleno Estado do Sublime Amor, e estou muito feliz. E minha primeira crônica que vejo impressa em livro. O livro é Feira Literária, tratando-se de uma homenagem, in memoriam, a Herculano Vieira - Tio Nhonhô -, por Denise Barros.
É mais uma grata e imensa satisfação pra mim, estar participando de tão importante Coletânea.
Bem, como estava dizendo, eu deixei o enredo da minha prosa poética de lado, que por ora eu parei de escrevê-la pois me dei conta que estamos nas vésperas da Páscoa!
Então eu decidi escrever algo. Falar um pouco do muito que tenho pra contar, em relação às minhas experiências vividas nos dias de Páscoa, e no quanto eu muito sinto em relação a este nobre ato de fé que tenho pelo Nosso Senhor Jesus Cristo!
Então, assim sendo, o que tenho para falar creio que não seja tanto em relação à Páscoa, ao dia da Páscoa em si, mas sim, de Jesus!
Não costumo celebrar a Páscoa pensando na morte física de Jesus, acontecida a muito tempo atrás, sendo pois um fato consumado e histórico. Terminei de ler o livro que fala sobre o Evangelho de Judas. Muito histórico, muito reflexivo, muito mais que isso, mas não pretendo estender mais sobre minhas conclusões. Não ao menos por ora.
Por ora, pretendo falar sim, da beleza da Ressurreição Espiritual de Jesus, para a Vida Eterna.
Ele deu sua vida para nos salvar!
Oh! Quanto é belíssimo e oh! quanto é sublime este ato de extremo e indescritível Amor pela Humanidade!
Quanto mistério há no sentido da Santíssima Trindade!
Jesus é o Glorioso Ser de Luz, que atua nas emoções vivas da vida interior que pulsa dentro de cada um de nós.
A Páscoa é a Ressurreição de Jesus para a vida Eterna.
E Ele se tornou o caminho para nos salvar. Ele é a nossa Estrela-guia!
Ele é o Portal para a nossa Eternidade...
Ele é a nossa supremacia de Luz Divinal que banha o nosso espírito de eterno e sublime estado de Amor!
Jesus é a nossa salvação. A Luz que ilumina nossa caminhada por esta vida.
A figura, a imagem, o ícone Jesus Cristo, está enraizada no nosso inconsciente coletivo.
O Amor que Ele expressa e exprime por nós, também!
E nós? Será que somos receptivos a esse Amor?
Jesus é pleno Poder. E Ele nunca esteve tão atuante e presente, como nos nossos dias atuais!
Ele está presente em nós!
Ele está no meio de nós!
Mas, será que estamos presente nele?
Na Sua filosofia, na Sua Mística, na Sua Metafísica e na glorificação espiritual que transcende-se Dele?
Sei que na década que compôs os anos 1960, depois da Bíblia, o livro mais lido no mundo foi a Divina Comédia Humana, de Dante Alighieri.
Eu já li estas belas obras! Tanto a Bíblia, quanto a Divina Comédia Humana!
Sem comentários, pelo menos por ora...
Por ora, o que penso e o que tenho a dizer em termos comparativos, é que cada qual, quanto Obra Literária, somente se lendo, absorvendo o profundo conteúdo existente em cada uma das Obras, é que se pode se envolver, se resolver, se assumir em postura, diante do cultivo individual em relação a expansividade da espiritualidade adquirida pela fé pessoal, em relação a experiência adquirida através dos anos vividos nesta existência, administrando no dia a dia os valores dos seus conteúdos literários.
Apenas estou comparando a Bíblia com a Divina Comédia Humana, pois sinto na Bíblia um fascinante caminho misterioso, enigmático e indecifrável, que me arrebata espiritualmente e emocionalmente para um pleno aprendizado de fé.
Já a Divina Comédia Humana, foi escrita com um primor de talento clássico. Uma verdadeira soberania poética e literária de beleza indescritível, versando sobre o grande amor do Grande Poeta Dante por sua amada...
E também pode se dizer que são os três livros, Purgatório, Inferno e Paraíso, uma verdadeira odisseia humana, onde a beleza e a realidade poética das temáticas, vão versando sobre o amor e as condições dos estados emocionais que enfrenta qualquer ser humano, dentro da sua vivência pessoal, até conquistar o Paraíso.
E Deus, através de Jesus, se fez carne, se fez homem. O Verbo encarnado, se fez homem através da figura humana de Jesus em forma de homem, para que assim Deus pudesse conhecer todas as virtudes e todas as fraquezas que compõe a vida interior da sua criação, da sua obra. Ou seja, nós! Simples seres humanos fisicamente mortais que somos! Mas, espiritualmente imortais! Pois através da crucificação, morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, foi possível pra nós, seres humanos, podermos alcançar a vida Eterna. Pois Jesus fez-se de ponte para o nosso caminho. Ele é o Portal e a nossa Ponte para a Vida Eterna! "Ninguém chega até o Pai, senão for através de mim."
Então, tanto na nossa realidade individual, quanto nas comparações que fiz entre as Obras Literárias: - A Bíblia e a Divina Comédia Humana, em ambas as Obras, Jesus é um fortíssimo personagem histórico atuante sempre como Grande Mestre Soberano, com plenos poderes e divinos conhecimentos de todas as existências, de todos os Reinos visíveis e invisíveis.
Sim! Jesus! Ele é o nosso Grande Mestre Divino!
Ele é o nosso Rei dos Reis! Nosso Divino Mestre que habita em nós, e atua por meio de nós, através da personificação do Verbo!
Ele é a nossa força e razão emocional para buscarmos a realização da nossa vida intensa de vivências espirituais e físicas, voltadas para os valores incompreensível, embora magnânimo e belíssimos da realidade da Perfeição e da Vida em Plenitude!
E não há motivo para explicarmos as razões emocionais desta Fé!
Pois a Fé é como o Amor. Não se explica...
Apenas deixa-se, permite-se, que essa intensa chama desconhecida venha envolver-se com as dimensões da alma do nosso espírito e corpo físico, e tomar-nos por inteiro.
Até arrebatar-nos para os lugares mais aconchegantes que atuam dentro das nossas emoções!
E assim, extrairmos o néctar da Vida intensa, numa fulgorosa realização em motivações de plenas belezas!
Crermos em Jesus, é realizarmos dentro de nós, a vivência da soberania concreta que atua em nós, através dos mistérios existentes nos Caminhos do Amor e da Fé!
E Jesus Vive! Viva, Viva Jesus!
Ele está no meio de nós!
Odenir Ferro



sexta-feira, 14 de março de 2008

Tenho escritos no Recanto das Letras também!

">" border="0" alt="" />

Divulgação de Site e Agradecimento!

Recanto das Letras

O endereço acima é um local onde também
tenho alguns escritos, como cronicas, poemas,
e até uma canção lírica. Este site é do meu amigo
Valdeck de Jesus, lá da Bahia-BA. Fui classificado
com um poema meu, que é o poema Olhares. Até junho
ou julho deste ano, ele estará incluído num Livro de Coletâneas. E esta é uma forma de expressar em público, o meu agradecimento à Valdeck de Jesus.
Odenir Ferro,
Rio Claro, 15 de março de 2008

sexta-feira, 7 de março de 2008

Poema: Porque Amam

Poema: Porque Amam
Autor: Odenir Ferro

Este Poema foi publicado num Jornal Semanário local,
daqui, da Cidade de Rio Claro - Est. São Paulo - Brasil,
no dia 04 de Março de 2006

Porque amam, as mulheres são puras
Quando amam, são frágeis são belas
Toda mulher é viva, doce e singela
Todas as mulheres trazem dentro de si
A Árvore Genealógica da Linha da Vida
Nascida nos distantes tempos de Eva!

Quando amam, são mistérios e força
São vasos de porcelana Chinesa,
São como diamantes que resistem,
São magias, são encantos, jóias,
Luzes da força bruta que vem
Da pedra lascada do Amor
Que trazem dentro de si,
Desde a criação da vida!

São ondas do belo radiante,
No brilho diamante que reluz
Desejos, encantos, esperanças
Nas atitudes, nos gestos, nas crenças
Das realidades dos beijos, das alianças!

Quando casam, as mulheres são nuas...
Por amam, todas elas são Evas!
Todas as mulheres vibram na mesma
Esfera, na mesma espera, sinceras
No doce amor pelos filhos que geram!

Todas as mulheres crêem no Amor,
Quando amam, encantam, são fiéis,
São singelas, são etéreas e belas!
Porque amam, são sonhos e produzem
Valores e encantos de puras feras!





Música Lírica: OH! Princezinha Linda!

Música Lírica: Oh! Princezinha Linda!
Autor: Odenir Ferro

Quero ter em im,
Na emoção mais profunda,
Do meu ser
Os meus versos mais puros
E as rimas mais lindas
Só pra te ofertar
Te fazendo crer
No quanto te amo!

E te descrever,
Desvendando meus sonhos
E te compreender,
No amor mais profundo
Tentando conhecer
O brilho da luz
Que vem desse amor
Neste brilho de luz
Que sái dos teu olhos!

Oh! Princezinha linda!
Amor, meu bem-querer
Tu és a luz divina,
Paixão do meu viver!

Amor assim como o teu
Não há no mundo igual
Tu és o meu bem-querer,
O perfume mais doce
Que embriaga o prazer
Do meu profundo viver!

Quero ter em mim,
A paixão mais bonita
Que embriaga o prazer
Quero ver em ti,
A paixão mais antiga
Que acoita o viver!

Camponezinha linda,
Paixão do meu viver
Tu és a flor bemvinda
Na luz do meu querer!

Homenagem: Dia Internacional da Mulher

Homenagem: Dia Internacional Da Mulher!
Autor: Odenir Ferro
Esta homenagem está sendo publicada simultaneamente nos endereços:
http://www.odenirferrocaminhopelasestrelas.blogspot.com

http:// groups.google.com/group/gentileza-caridade-e-solidariedade-pratique-este-gesto
( Grupo com origens em Rio Claro, estado de São Paulo - S.P. )

http:// www.euautor.com/home.asp

http://recantodasletras.uol.com.br

Assim como em todos os seguimentos sociais existem distinções de classes, também pode-se dizer que a classe social feminina é uma classe social distinta.
Elas formam um clã, de tradições que passam das avós para as mães, das mães para as filhas, das filhas para as netas, indo assim sucessivamente por séculos a fio, formando uma cadeia genealógica ininterrupta.
Desde o Mito Eva, as Mulheres, dentre tantas e tantas funções a elas atribuídas, exercem a função mais importante que a Criação Genética da Natureza lhes deu: - A função da Arte Divinal da Procriação!
Deus fabrica no espaço celestial, no Éter, o átomo-semente, que é o nosso espírito!
As mulheres dão forma física a este espírito, através da concepção, geração da vida e nascimento e continuidade da vida aqui na Terra!
São elas, portanto, detentoras deste Poder.
O Divinal Poder de gerar dentro de si mesmas no pós relação sexual macho e fêmea, os filhos, constituindo assim, laços sanguíneos de família e desta forma, podendo darem continuidade à Árvore Genética da Vida!
Pode-se dizer até, que são elas, as Donas e organizadoras da Árvore Genética da Vida!
Além de mulher, elas exercem o nobre e importante papel social da maternidade, sendo Mães!
A mulher sempre exerceu, além das funções de administrar uma casa, uma família, um lar, importantes funções sociais.
Muitas delas foram grandes líderes, outras grandes mártires, famosas ou anônimas, ao desempenharem funções históricas dentro do percurso da própria História do Mundo.
A mulher é bicho feroz e age por instinto intuitivo e reúne todas as forças necessárias que tem dentro de si, para proteger o que é seu. Inclusive e principalmente os filhos.
As mulheres amam, quando agem com o coração e quando não se sentem afetadas nas suas emoções.
As mulheres são guerreiras. Os espaços delas, as duras penas conquistados por elas, na sociedade atual, hoje em dia, são bastantes significativos, dentro dos modernismos sociais em que vivemos com a era da tecnologia.
As mulheres são felizes e mais equilibradas na harmonia existencial com a natureza, nos países mais antigos, onde há o respeito e o cultivo das tradições culturais. Principalmente os países orientais.
As mulheres sofrem todos os tipos de abusos nos países em desenvolvimento, nos sub-desenvolvidos e em guerras e nos países desenvolvidos. Ou seja, as mulheres e crianças ainda sofrem todos os tipos de abusos em qualquer lugar do mundo!
O disparate social que há atuante nas divisões de classes sociais, afeta indiscriminadamente a todos. Mas principalmente as mulheres e as crianças.
As mulheres tem o instinto de guerreiras, pois são elas quem dão motivações aos homens para lutarem, exibirem suas forças e depois dividirem, compartilharem, suas conquistas.
Mas as mulheres também são prisioneiras dos seus instintos, pois que são submissas às suas condições humanas, espirituais, emocionais, vivenciais, que fazem delas, um ser humano voltado para as suas crenças instintivas, naquilo que julgam ser de importância para a continuidade e o equilíbrio da vida humana: - A agregação, o vínculo com os laços de família e a força psicológica e até física, conquistada pela formação dos clãs compostos pelas Mulheres da Família.
A mulher é forte, embora mostre seus sentimentos - A mulher sofre muitas discriminações e indiscriminações sociais ainda. Dentro de toda a estrutura que há nos contextos sociais em que vivemos.
Fico leu a pensar, nas quantas e quantas mulheres que morreram rezando, pois não tinham outras opções a não ser esta: - a de encontrarem-se, num extremado e exacerbado momento de aflição, para os apelos sedantes das dores e das dores psicológicas que nos traz a fé, sempre quando nos encontramos num momento de dor, de morte, de horror...!
Ao longo da construção da História Social da Humanidade, não dá para precisarmos o quanto, as mulheres já sofreram e muitas e muitas, a grande maioria delas, ainda sofrem diante das muitas aflições e flagelos sociais - tanto na atualidade, quanto nos tempos equidistantes - que formaram e ainda formam, a linha Genética do conjunto do toda da Árvore Genealógica da Vida!
No Dia Internacional da Mulher, o meu reconhecido e respeitoso amor à Grandeza Existencial e vibracional que compõe e embeleza o Planeta, na Figura Feminina que compõe o belo conjunto presencial e ativista de todas Elas! Parabéns!
Odenir Ferro
( A Atriz Liv Ulmann, num dos seus livros que li, já há alguns anos atrás, preocupada com as condições humanas das mulheres menos favorecidas pela sorte, num dado momento da sua vida, já plenamente realizada com sua carreira artística, social, cultural, resolveu usar do seu prestígio e influência como Personalidade Pública de referencias Mundial, ao engajar-se em atividades ativistas, filantrópicas, sociais, culturais - inclusive de Ordem Humanitária - ao associar-se à Cruz Vermelha Internacional.
Viajou muito pelos países pobres. O que ela sita no seu livro, inclusive ela publicou os fatos descrendo em números e em horas, a cada momentos dos dias, o quanto as mulheres e crianças sofrem de abusos e discriminações de todos os tipos - inclusive abortos espontâneos provocados pela fome ou abusos à elas provocados - sem contar os estupros, violências sexuais abusivas, espancamentos, torturas físicas e psicológicas, mortes - inclusive pela fome, enfim, os muitos maus tratos que sofrem...
É,... É pra se pensar! É pra se agir!...
É estarrecedor. Horroroso!
E é horripilante essa farsa social Mundial em que vivemos!)

quarta-feira, 5 de março de 2008

Cronica: Memórias da Nossa História

Cronica: Memórias da Nossa História
Autor: Odenir Ferro

Intimamente, ultimamente eu ando me sentindo um tanto, quanto, muito lisonjeado com os altos e satisfatórios resultados que alguns poemas meus estão me dando.
Acho até engraçado, pela forma como eles criaram e ainda vão criando vida pelo tempo afora. Vejo e analiso profundamente nas formas e nos procedimentos do como eles vão almejando e ganhando espaços e vão se estabelecendo por si mesmos dentro do parâmetro subjetivo da Arte que atua no inconsciente coletivo da Humanidade.
Sinto que é muito interessante a imprecisão e a imprevisão do caminhar de um poema.
E na proporção da popularidade que o atua, dentro do interagir ele com ele, no próprio contexto dele.
E toda a comunicação se faz de forma muito subjetiva, variando de pessoa para pessoa, de acordo com o sentir do momento em que um determinado poema está se encontrando com as emoções de quem o estiver lendo-o, ouvindo-o, saboreando-o, interpretando-o e por fim assimilando e aceitando-o ou o recusando de si, do seu próprio mundo pessoal interior.
Muitas vezes cheguei a pensar, a acreditar, que um determinado poema meu seria aquele: - O grande, O Poema! Aquele que cairia no gosto popular, ( vários já caíram, graças a Deus! ) mas não.
- Aconteceu o contrário!
- Outros poemas que eu adorei escrevê-los, mas que não coloquei muita fé em relação ao seu crescimento popular, foram os que vingaram, ganharam forma e forças, por si mesmos.
- Poemas complexos, carregados de mensagens diretas, indiretas ou subjetivas, são os poemas que eu costumo identificá-los como sendo os poemas de gênio. Ou seja, são poemas de personalidades complexas, dada a riqueza de informações que eles carregam dentro de si mesmos. E, muitas vezes, esse fardo se torna pesado, dado a beleza existencial da forma como eles se apresentam em cada verso, em cada estrofe, ou no conjunto todo.
Sempre digo que realizar-se intimamente, é ao construir um poema, em se tratando daqueles poemas altamente inspiracionais, daqueles entusiasmados que nos enchem de pura energia espiritual que intuímos, pressentimos, embora nunca sabemos exatamente de onde eles vêm, ou onde eles nascem e vêm atuarem na presença física de nós; que inspirados, o acolhemos e os escrevemos, dando-lhes vida.
- Bem, enfim, já escrevi sobre esse processo de sentir em outros textos, mas não estou me repetindo nem no transcorrer das palavras e muito menos no sentir. Pois é algo indescritível, estes sentimentos. Quanto mais penso ou tento externalizar a realidade vivencial e emocional da criação de um poema, mais eu me distancio da forma do como conseguir traduzir esses sentimentos. Então, vou escrevendo, escrevendo, sem me cansar. Dentro destas linhas que vão se tornando um intraduzível mistério.
- Criar um Poema é um intraduzível mistério gerado pelo Éter da Criação Divina!
- É, é isso mesmo! É possível. Creio que seja somente isto mesmo!
- Criar um poema é tracejar, desenhar, delinear, modelar, sombrear as cores da existência com as cores do Amor. Amor feito no etéreo da massa da Arte Literária que emana da Perfeição existente na pureza abstratriva da consistência metafísica do Éter do Amor!
- Mas, como estava eu começando a dizer, sempre afirmo que construir um Poema é mais difícil, muito mais difícil mesmo, do que escrever um Romance.
- No ano passado, por cerca de uns quatro ou cinco meses, eu vivi a satisfatória emoção de escrever um Romance. ( Por enquanto, inédito )
- É praseiroso, mas é cansativo, é angustiante, é doloroso, a gente acaba se envolvendo com a trama e os personagens, e num determinado momento acabamos até perdendo o auto controle da nossa vida pessoal. É uma viajem que é um pouco arriscada. Perigosa, até! Mexe muito com as nossas emoções inconscientes que já estão arraizadas no subconsciente do escritor.
- Os códigos cognitivos das imagens e das mensagens ficam bem condensados no enredo de um poema. Já num enredo de um livro, ( embora seja o único que escrevi até agora ) estes mesmos códigos de imagens, têm um espaço para que as mensagens sejam bem mais amplas. E não existem padrões estabelecidos para se escrevê-las.
- Se por um lado, escrever um livro é envolvente, envolver-se emocionalmente com um poema é algo profundamente tocante.
e muitos poemas ganham popularidade e fama por si próprios. Outros não. Outros passam tímidos, desapercebidos. Isso tudo dizendo, dos editados, claro.
Quanto aos inéditos, que são muitos, muitos, eu não tenho meios para descrevê-los, no momento. Apenas o que posso dizer, é que quando pego um para reler, já na leitura dos primeiros versos eu me recordo da ocasião em que eu os escrevi, nas razões do porque eu os escrevi, nas emoções que até a mim, então, me sobrevieram, após ter vivido as emoções que ocasionou o partir para a escrita, após as origens dos mesmos.
Alguns eu até me recuso a ler. Outros me agradam tanto que muitos deles eu já perdi a conta do quanto eu já os li.
- Pra resumir, é algo mais ou menos parecido do que acontece quando nos abstraímos em emoções, e puros sentimentos ao olharmos com os olhos físicos, e também com os olhos da alma, algum velho álbum de fotografias envelhecidas e quase já esquecidas no tempo, mas que ao olharmos para elas, nos recordamos de tudo e automaticamente as reacendemos na chama viva, embora adormecida, das memórias que compõem as partes da nossa pessoal História. E que compõem o conjunto todo das Memórias da nossa História.
- Eu estou com um poema inédito pronto para fazer deixá-lo de ser inédito. Eu vou acompanhando-o, passo a passo. Depois deixo-o livre, para percorrer solto os caminhos das palavras presentes no contexto do Verbo em ação. E o Verbo em ação se faz presente no verbo que somos nós, seres humanos, amorosos ou não, viajantes circundantes pelos caminhos deste nosso belíssimo Planeta Terra!